Folha Espirita online

Edição de fevereiro 2020

FE de janeiro 2020
DESTAQUES DESSA EDIÇÃO

    Em momento de transição, jovens se comprometem com a evolução moral do planeta

    Equilíbrio da mente e do pensamento

    Há um trabalho esperando por cada um de nós

    O caso Ruytemberg Rocha

    O futuro a Deus pertence

    Dinâmica da empatia

    Síndrome de déficit de natureza



Se você é assinante da versão online, clique na imagem ao lado para ler a edição atual.

Se ainda não é assinante, assine agora mesmo aqui e ganhe de brinde o livro O Legado de Marlene Nobre.

EDITORIAL

Sem amadurecimento moral, desigualdade social prevalecerá

Em 20 de janeiro, tivemos acesso ao último relatório da confederação filantrópica Oxfam, que mostra que a desigualdade se perpetua. O fato que merece destaque é que, além das desigualdades sociais, as informações analisadas trouxeram um recorte mostrando que a desigualdade se aprofunda em relação aos gêneros, em que podemos ver, por exemplo, que mulheres e meninas são sobrecarregadas com uma responsabilidade desproporcional pelo trabalho de cuidados e com menos oportunidades econômicas. Segundo o estudo, a desigualdade econômica está fora de controle, pois, em 2019, 2.153 bilionários tinham mais patrimônio do que 4.6 bilhões de pessoas. O presidente da Oxfam Índia, Amitabh Behar, faz um alerta: “Nossas poucas economias estão enchendo os bolsos de bilionários e grandes empresas às custas de homens e mulheres comuns”.

Diante disso, perguntamos: qual seria o caminho? Todos os dias vemos governos do mundo todo entoando um mantra eterno que tem como base o crescimento econômico como forma de reduzir a desigualdade, ou seja, deve-se impulsionar a produção e o consumo para que a máquina possa gerar mais renda e mais empregos, tudo isso impulsionado por um cenário que obriga a uma única saída: crescer e crescer mais. Além da pesquisa, a Oxfam faz referência a uma pesquisa do Banco Mundial que nos alerta que diminuir a desigualdade teria um efeito maior na redução da pobreza extrema do que no crescimento econômico. Behar afirma: “A análise mostra que se os países reduzissem a desigualdade de renda em 1% a cada ano, 100 milhões a menos de pessoas estariam vivendo em extrema pobreza em 2030”.

O bilionário Bill Gates é um dos defensores de que os bilionários paguem mais imposto, incluindo ele mesmo. O fundador da Microsoft acredita que aumentar os impostos dos mais ricos seria a solução para diminuir a desigualdade social. Segundo ele, a desigualdade está crescendo, e a distância entre as menores e maiores riquezas nos EUA é muito maior do que era 50 anos atrás: “Eu fui desproporcionalmente compensado pelo trabalho que fiz, enquanto muitos que trabalham tão duro quanto eu enfrentam dificuldade para se manter”.

O benfeitor Emmanuel nos orienta sobre isso na questão n. 55 do livro O Consolador, no brilhante capítulo sobre sociologia, respondendo à seguinte questão com foco nas necessárias transformações de nosso mundo: “A desigualdade verificada entre as classes sociais, no universo dos bens terrenos, perdurará nas épocas do porvir? A desigualdade social é o mais elevado testemunho da verdade da reencarnação, mediante a qual cada Espírito tem sua posição definida de regeneração e resgate. Nesse caso, consideramos que a pobreza, a miséria, a guerra, a ignorância, como outras calamidades coletivas, são enfermidades do organismo social, devido à situação de prova da quase generalidade dos seus membros. Cessada a causa patogênica com a iluminação espiritual de todos em Jesus Cristo, a moléstia coletiva estará eliminada dos ambientes humanos”.

Ao nos depararmos com mais um relatório como esse da Oxfam, não podemos nos furtar de que as mudanças do porvir necessariamente necessitam de uma verdadeira transformação nos valores humanos. É necessário que possamos nos conscientizar que o equilíbrio deve ser uma realidade, e não uma busca obsessiva por um crescimento econômico, em que bilhões de pessoas continuam a ser pressionadas para que poucos possam ter suas fortunas ainda maiores.

Não temos dúvidas de que mudanças como essas são essenciais para que possamos adentrar ao Mundo de Regeneração, onde provaremos que os valores do Espírito prevaleceram perante as ambições da matéria.

Edição janeiro de 2020

FE de janeiro 2020
DESTAQUES DESSA EDIÇÃO

    O poder do pensamento

    A crença em reencarnação no Brasil

    Campos organizadores biológicos. O que são?

    Cartilha contra relacionamentos abusivos

    Evangelização sim. Desde o berço

    A caridade e a prática do amor

    Liberdade com responsabilidade



Se você é assinante da versão online, clique na imagem ao lado para ler a edição atual.

Se ainda não é assinante, assine agora mesmo aqui e ganhe de brinde o livro O Legado de Marlene Nobre.

EDITORIAL

Aceitar para renovar em 2020!

Estamos às portas de mais uma década, que se inicia certamente com uma grande quantidade de desafios para toda a humanidade. As nossas reflexões mais íntimas nos convidam a elaborarmos uma lista de desejos para o ano que se inicia, em sua maioria composta de conquistas pessoais, mudanças profissionais, prosperidade material, um novo relacionamento afetivo, perder peso, vencer um vício e por aí vai.

O novo ciclo chega como se fôssemos capazes de em um novo ano sermos totalmente diferentes, e com isso até mesmo abandonarmos o nosso “eu” do ano anterior, como se um ciclo terrestre em torno do Sol fosse capaz de uma transformação sem precedentes. É importante que se tenha em mente que as mudanças são possíveis, sim, mas elas devem ser o resultado de uma reflexão, uma aceitação.

A nossa querida Marlene Nobre, que por tantos anos esteve à frente da Folha Espírita, costumava repetir sempre: “Tudo aquilo que conquistamos no campo do Bem já faz parte de nós e carregamos para a eternidade, e o Mal que ainda temos, esse é passageiro”. Então, não temos dúvidas que tudo aquilo que desejamos vencer é possível, bem como que um novo ciclo, um novo ano, representa esse momento de renovação, de realmente nos comprometermos com os avanços e as conquistas que desejamos. Entretanto, cabe-nos aqui reforçar a importância do aprendizado e da aceitação das situações que vivemos para que, por meio da compreensão e da aceitação, possamos promover a renovação e o crescimento.

Lembremo-nos de que o exercício da aceitação diante dos desafios do ano porvindouro será um grande suporte para que nossos dias se tornem mais harmoniosos e produtivos. Assim, dividimos com os nossos leitores esta bela mensagem de Emmanuel, por intermédio da psicografia de Chico Xavier, no livro Busca e acharás:
Aceitarás a dificuldade, não por fardo de aflição que te arrase as energias, mas por ensinamento que te habilite à mais ampla aquisição de experiência. Não te rebelarás contra a enfermidade...
Saberás, no entanto, afastá-la com os recursos curativos de que disponhas, imitando o devotamento do lavrador que protege a enxada em cuja cooperação encontra o pão de cada dia.
Entenderás os seres amados que te apresentem lamentáveis quadros de provação, tolerando-lhe, com serenidade, até mesmo as injúrias...
Ainda que seja a distância, porém, não só farás o possível para desculpá-los, como também te empenharás a auxiliá-los na melhoria do Espírito.
Suportarás a preterição e o menosprezo nas áreas da atividade profissional...
Não renunciarás, contudo, ao dever de aprimorar-te, a fim de ser mais útil à comunidade à qual te vinculas.
Até mesmo em nós próprios, admitiremos certas falhas de extinção difícil, chegando a medir com sinceridade, a extensão de nossas deficiências...
Mas prosseguiremos, fazendo o melhor de nós, até que nos sintamos curados das imperfeições que nos caracterizem, com o esmeril do trabalho, ao calor da responsabilidade constante.
Paciência é compreensão.
Compreensão é luz de amor.
Aceitemos os obstáculos por testes de resistência, e as provas por lições...
Entretanto, saibamos acolhê-los, agindo sempre por superá-los na expansão do bem, de vez que estamos todos na forja da luta evolutiva, com a certeza de que degraus para cima é que configuram a estrada de elevação.
Emmanuel

Feliz 2020!

Conteúdo sindicalizado