Edição outubro de 2016

Os principais destaques da edição de outubro da Folha Espírita são:

    Jorge Andréa dos Santos - Pioneiro da Medicina do futuro
    Transplante na visão espírita
    Kardecpedia: tudo sobre Kardec
    A formação de um professor
    Quem não erra?
    Cuidado com a língua

Se você é assinante da versão online, clique na imagem ao lado para ler a edição atual. Se ainda não é assinante, assine agora mesmo e ganhe de brinde o livro O Legado de Marlene Nobre.

Editorial outubro de 2016

Em defesa da vida

As manchetes de vários jornais, revistas e páginas eletrônicas voltaram a estampar o recorrente tema sobre a liberação do aborto. Desta vez, duas vertentes se abriram: a possibilidade de realizá-lo via Sistema Único de Saúde (SUS) até a 12ª semana de gestação e a defesa do aborto para as grávidas que apresentem contaminação com o Zika vírus, esta última podendo ser votada até o fim do ano pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Ambas as ideias são repugnadas por diversas entidades que militam em favor da vida, e aqui não vamos abordar as questões religiosas ou filosóficas. Vamos falar sobre o aspecto científico em defesa da vida, muito bem embasado pelo pediatra francês Jérôme Lejeune, professor de genética, que foi taxativo ao defender que a vida começa na concepção, afirmando que “desde a concepção, um embrião já é um ser humano, pois absolutamente nada é acrescentado a ele”. Outra frase famosa de sua autoria é a de que “a sociedade não tem de lutar contra a doença, matando o doente”. O citado professor foi o descobridor da anomalia cromossômica que dá origem à trissomia 21, ou síndrome de Down.

Hoje, temos uma dura realidade no Brasil, na qual grupos defendem o aborto por causas diferentes e escusas, para não dizer egoístas. As razões científicas que invalidam e interditam a propalada autonomia da mulher de decidir quanto à morte do embrião ou do feto, tendo em vista que a vida é um bem indisponível, já é tema de artigos científicos de diversas áreas da Medicina, pois os riscos vão além da esfera da saúde física, muitas vezes chegando a abalar a saúde mental.

Com o objetivo de preservar a vida do feto e a saúde materna, vários grupos em defesa da vida iniciaram, no fim do mês passado, o projeto 40 Dias pela Vida, que visa a conscientizar sobre o valor da vida humana desde seu início. O projeto teve o engajamento também da Associação Médico-Espírita do Brasil, que, através de suas redes sociais, conclamou pessoas a postarem vídeos de um minuto justificando o seu posicionamento contra o aborto. E muitos profissionais da área de Saúde citaram artigos científicos, experiências pessoais em hospitais, clínicas e ambulatórios sobre os benefícios da preservação da vida humana. O início da campanha, aqui no Brasil, foi em 28 de setembro, coincidentemente, data da promulgação da Lei do Ventre Livre, que considerava livres todos os filhos de mulheres escravas nascidos a partir da data da lei, assinada pela Princesa Isabel.

Presente em 37 países, a campanha segue até 6 de novembro e espera sensibilizar as altas esferas políticas do País para que não ocorra a liberação de assassinato de seres indefesos.

Conteúdo sindicalizado