As ideias pedagógicas – de Platão a Emmanuel até a Codificação

A humanidade aprendeu a registrar seus conhecimentos com os desenhos de caça e a sobrevivência nas pedras até a surgimento da escrita. Com ela, pudemos passar para as gerações futuras nossa história e conhecimento. A educação propaga por meio da história, com os erros e acertos da humanidade. Os livros nos ensinam a cada dia, a cada frase, a cada pensamento. Propaguemos nossa educação através das nossas ações e prol da humanidade.

Platão, o primeiro pedagogo

O filósofo grego previu um sistema de ensino que mobilizava toda a sociedade para formar sábios e encontrar a virtude.

Na história das ideias, o grego Platão (427-347 a.C.) foi o primeiro pedagogo, não só por ter concebido um sistema educacional para o seu tempo, mas, principalmente, por tê-lo integrado a uma dimensão ética e política. O objetivo final da educação, para o filósofo, era a formação do homem moral, vivendo em um Estado justo.

Platão foi o segundo da tríade dos grandes filósofos clássicos, sucedendo Sócrates (469-399 a.C.) e precedendo Aristóteles (384-322 a.C.), seu discípulo. Como Sócrates, Platão rejeitava a educação que se praticava na Grécia em sua época e que estava a cargo dos sofistas, incumbidos de transmitir conhecimentos técnicos – sobretudo a oratória – aos jovens da elite, para torná-los aptos a ocupar as funções públicas. “Os sofistas afirmavam que podiam defender igualmente teses contrárias, dependendo dos interesses em jogo”, diz Sérgio Augusto Sardi, professor da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS). “Platão, ao contrário, pensava em termos de uma busca continuada da virtude, da justiça e da verdade.”

Para Platão, “toda virtude é conhecimento”. Ao homem virtuoso, segundo ele, é dado conhecer o bem e o belo. A busca da virtude deve prosseguir pela vida inteira – portanto, a educação não pode se restringir aos anos de juventude. Educar é tão importante para uma ordem política baseada na justiça – como Platão preconizava – que deveria ser tarefa de toda a sociedade.

Platão acreditava que, por meio do conhecimento, seria possível controlar os instintos, a ganância e a violência. O acesso aos valores da civilização, portanto, funcionaria como antídoto para todo o mal cometido pelos seres humanos contra seus semelhantes. Hoje poucos concordam com isso; a causa principal foram as atrocidades cometidas pelos regimes totalitários do século XX, que prosperaram até em países cultos e desenvolvidos, como a Alemanha. Por outro lado, não há educação consistente sem valores éticos.

Leia também: Um dos mais lúcidos discípulos do Cristo

Emmanuel – educador de almas

Emmanuel, em seu profundo estudo das ideias pedagógicas, vem ao encontro das ideias de Platão, completando um ciclo na história, onde juntos se encontram no Espiritismo codificado por Allan Kardec.

“Educação, em boa síntese, é a Luz que circula vitoriosa do sentimento ao raciocínio, sustentando o equilíbrio entre o cérebro e o coração. A ideia esclarece. O sentimento cria. A palavra edifica” (Emmanuel).

Aprendamos servindo

Onde estiveres, faze claridade em ti mesmo, para que a treva desça de nível.

Só a luz desintegrará na Terra as cristalizações da sombra, em que a ignorância e a penúria tecem [escuro] ninho à inquietação e ao sofrimento.

Não te encarceres, porém, na feição unilateral do grande problema.

Educação, em boa síntese, é luz que circula vitoriosa do sentimento ao raciocínio, sustentando o equilíbrio entre o cérebro e o coração.

A Ciência constrói a Medicina.

 A compreensão humana faz o médico.

As letras erguem o magistério.

A consagração ao ensino gera o professor.

A técnica estende os patrimônios da indústria.

O devotamento ao trabalho levanta os missionários do progresso.

A Teologia plasma a Religião.

As virtudes da fé, realmente vividas, erigem o pastor.

A Universidade lavra diplomas.

A escola do exemplo, nos testemunhos de elevação dentro da luta cotidiana, forma os verdadeiros servidores do mundo.

Não prescindimos da instrução.

Mas não honraremos o pensamento claro e nobre sem o acrisolamento moral.

A ideia esclarece.

O sentimento cria.

 A palavra edifica.

 Exemplo arrasta.

É por isso que Jesus, exalçando a sabedoria, não olvidou a prática do amor.

Aprendamos servindo.

Essa é a única fórmula capaz de reunir-nos ao Mestre que procuramos.

Muitos possuem ouro e prata…

Muitos detêm a cultura…

Muitos guardam a bondade…

Muitos dispõem do poder…

Mas não sabem acender a luz em si próprios, riqueza e inteligência, afetividade e dominação não lhes servem, por vezes, senão como vasto pedregulho no campo da experiência.

Entesoura, pois, no cérebro a ciência que te ilumina, mas inflama de amor o coração que te pulsa no peito, porque somente assim farás da própria vida a estrela de serviço e de fé, guiando-te a alma em triunfo para além das sombras que enxameiam nos valores da provação e da morte.

Emmanuel

Quer complementar a leitura?

Fontes
A educação do homem segundo Platão, Evilázio F. Borges Teixeira.
A República, Platão.
O banquete, Platão.
Os pensadores, Platão.Paideia – a formação do homem grego, Werner Jaeger.

Próximas Matérias

Quem faz?