Como o médium mineiro ajudou a fundar nossa instituição

Chico Xavier na Casa da Prece em São Leopoldo
Foto: Arquivo pessoal

“Chora, quando não possas evitar o pranto que se te derrama da alma; no entanto, converte quanto possível as próprias lágrimas em bênçãos de trabalho e preces de esperança…” (Emmanuel, Na era do Espírito).

Maio de 1985, eu e minha esposa, Emilly, formávamos um casal como tantos outros. Dois filhos, Marcelo, com 7 anos, e Tatiana, com 5. Isso até 31 de maio daquele ano, quando um acidente automobilístico ceifou a vida física da nossa filha. Desnecessário descrever a dor que nos assolou. Embora espíritas e frequentadores do Centro Espírita Humberto de Campos, aqui em Votuporanga (SP), e tendo conhecimento da imortalidade do Espírito, a dor era inenarrável.

Um mês após o doloroso ocorrido, convidados por amigos próximos de Francisco Cândido Xavier, fomos a Uberaba (MG) em busca de consolo, alento e, quem sabe, receber uma mensagem da Tatiana. Naquele sábado à tarde, tivemos a felicidade de ser recebidos na casa do caridoso médium. Relatamos, então, o nosso sofrimento, quando ele disse: “vamos esperar as providências do alto”.

Logo mais à noite, fomos ao Grupo Espírita da Prece, onde nos deparamos com uma multidão que também desejava o mesmo intento. Já alta madrugada do domingo, tivemos outro contato com Chico Xavier, depois de enfrentar longa fila. Não recebemos a desejada mensagem, mas assim que nos aproximamos dele novamente, nos afirmou “Dr. Bezerra de Menezes está informando que a Tatiana foi acolhida e está amparada por familiares”. Essa informação valeu como uma mensagem. Graças a Deus, nossa filha estava amparada. A dor continuava machucando nosso coração, mas agora revestida de consolo e de esperança.

Chico Xavier psicografando
Foto: Arquivo pessoal

Retornando a Votuporanga, um percurso de três horas e meia, vinha no banco traseiro do carro refletindo em tudo que havia visto, ouvido, sentido nas últimas horas. Mente fervilhando de indagações. Como viver sem a Tatiana? Como suportar essa lacuna que ela deixou? Como conviver com a saudade? Como conduzir os dias no futuro? Aos poucos começaram a surgir pensamentos diferentes… “Sua filha está amparada, mas existem muitas crianças que precisam de amparo… Em nome dela será interessante ajudar os que sofrem, assim Jesus também amenizará seu sofrimento… Junto com alguns companheiros, poderá edificar um trabalho em favor dos mais necessitados da sociedade e assim ocupar o tempo e abrandar sofrer”. Foram tantos pensamentos, muitos…

Apresentamos, então, aos companheiros do Centro Espírita Humberto de Campos, a nossa ideia, sendo ela acatada. Depois de todos os trâmites legais, nasceu a Associação Beneficente Irmão Mariano Dias, em 27 de setembro de 1985. Inicialmente em um pequeno terreno, e transcorridos quase 37 anos, está instalada numa área de três mil metros, com mil e quinhentos metros de construção, onde funciona uma série de atividades.

Acolhemos 120 crianças e adolescentes, na faixa etária de um ano e meio a 12 anos, de segunda a sexta feira, das 7 às 17 horas, que recebem cinco refeições diárias, com maternal I e II, recreação, aulas de inglês, atividades físicas, apoio escolar etc. Além das refeições servidas na entidade, no momento, distribuímos diariamente 80 marmitas a famílias vulneráveis e moradores de rua.

Aos sábados, abrimos as portas da instituição para a comunidade no período das 13 às 16 horas, quando oferecemos curso para eletricista, artesanato, pintura em tela e em tecido, curso para gestantes, palestras e estudos de O livro dos Espíritos, aos interessados. Para a nossa surpresa, aproximadamente 80 pessoas que assistimos frequentam o estudo, por vontade própria.

No final das atividades do sábado, entregamos aos assistidos marmitas, sacolas com legumes, pães e, quando necessário, a algumas famílias doamos cestas básicas de alimentos. No final de cada mês, distribuímos aproximadamente 130 cestas de alimentos para as famílias carentes que estão cadastradas na instituição. Também são feitas doações de roupas, agasalhos, calçados, consultas médicas e dentárias.

A partir daquele encontro com Francisco Cândido Xavier, num momento tão doloroso, por certo envolvido pelas vibrações daquele coração generoso e sua equipe espiritual, nasceu a Associação Beneficente Irmão Mariano Dias, onde, com muito esforço, procuramos ocupar o tempo, amenizando o nosso sofrimento ao ajudar a diminuir o sofrimento de tantas outras pessoas.

Alguns anos depois, por meio de uma mensagem psicográfica, Tatiana nos disse: “papai, liberados de dívidas do passado, vamos trabalhar pelas crianças de Votuporanga”. Atentos a esse apelo, seguimos…

Atendimento de pessoas necessitadas
Atendimento de pessoas no Associação Beneficente Irmão Mariano Dias – Foto: Arquivo pessoal

Próximas Matérias

Quem faz?