Competências socioemocionais

Antes de entrarmos nas competências socioemocionais propriamente ditas e o estudo que as compõe, vamos a algumas definições importantes.

Afinal, o que é competência?

Competência vem do latim competentia, o qual possui vários significados de acordo com o seu emprego. De modo geral, indica uma aptidão para cumprir alguma função, embora também possa ser empregada como cultura, jurisdição e conhecimento.As palavras “competência” e “habilidade” possuem semelhanças, uma vez que a palavra “competência” tem caráter mais amplo, ao passo que envolve atributos ligados ao conhecimento, à atitude e habilidade. Esta última, por sua vez, é de cunho mais restrito e denota praticidade, ou seja, exige aplicabilidade de um saber teórico. No cotidiano, utiliza-se a palavra “competência” associada à capacidade de resolver problemas, aptidão e habilidade.

Para o sociólogo francês Philippe Zarifian, competência é “tomar a iniciativa e assumir a responsabilidade diante das situações profissionais com as quais nos deparamos. Consiste em um entendimento prático de situações, que se apoia em conhecimentos adquiridos e os transforma à medida que aumenta a diversidade de situações”.

E as competências socioemocionais?

Com o avanço das tecnologias e o surgimento de novas profissões, a questão humana vai assumindo sua complexidade, tornando-se necessário incorporar estratégias e métodos de aprendizagem mais flexíveis e amplos. A saída para a educação mais assertiva está no desenvolvimento das competências socioemocionais.

Oliver John, professor do Departamento de Psicologia da Universidade da Califórnia, em Berkeley, e psicólogo pesquisador do Instituto de Personalidade e Pesquisa Social, traz uma divisão sistêmica das competências socioemocionais em cinco dimensões da personalidade humana:

  • Abertura ao novo – se desdobra em curiosidade para aprender, imaginação criativa e interesse artístico.
  • Consciência ou autogestão – determinação, organização, foco, persistência e responsabilidade.
  • Extroversão ou engajamento com os outros – iniciativa social, assertividade e entusiasmo.
  • Amabilidade – empatia, respeito e confiança.
  • Estabilidade ou resiliência emocional – tolerância ao estresse, autoconfiança e tolerância à frustração.

Agora sim, competências socioemocionais

Após essas explicações, podemos entrar nas competências socioemocionais. As cinco macrocompêtencias, apresentadas pelo professor Oliver John, foram desdobradas em outras 12 competências socioemocionais, identificadas como importantes de serem consideradas e desenvolvidas nos jovens. São elas:

  1. Criatividade – desenvolvimento de ideias, projetos e criações que são inovadores e úteis para um contexto social a partir da interação entre aptidão, processo e ambiente. É uma habilidade a ser desenvolvida e exercitada ao longo de toda a vida.
  2. Pensamento crítico – tomada de decisões e aprendizado de novos conceitos a partir da análise crítica de informações e declarações com as quais o indivíduo se depara ao longo da vida. Avaliação de problemas, das soluções e abordagens com o uso de lógica e raciocínio, a fim de identificar pontos fortes e fracos de cada cenário.
  3. Comunicação – escutar, compreender e conseguir passar adiante e fornecer informações com o uso da fala ou/e de outras mídias.
  4. Colaboração – realização das atividades de forma coordenada e sincronizada, compartilhando-se tarefas e unindo-se aos demais integrantes do grupo para a resolução prática de problemas.
  5. Atenção plena – percepção focada no presente e em suas várias perspectivas.
  6. Curiosidade – cultivo de uma mentalidade que busca sempre aprender, compreender o mundo e explorar novas ideias.
  7. Coragem – defesa da vontade própria para alcançar objetivos, tomando um posicionamento e, se necessário, confrontando o outro de forma empática.
  8. Resiliência – capacidade de lidar de maneira adequada com desafios e mudanças, sem abrir mão da sua identidade e do aprendizado.
  9. Ética – princípios morais que norteiam a maneira como as pessoas vivem e tomam decisões, preocupando-se com o que é bom para a sociedade e para si mesmo.
  10.  Liderança – formação de relações éticas entre pessoas preocupadas em alcançar juntas uma mudança, fazendo de sua voz o guia para caminhos a serem explorados em conjunto.
  11.  Metacognição – reconhecimento das próprias habilidades, atitudes, valores, conhecimento e aprendizagem, estabelecendo-se metas e estratégias pessoais e adaptando-se com base nos resultados alcançados.
  12.  Mentalidade de crescimento – convicção de que o esforço leva ao progresso e de que os obstáculos consistem em oportunidades para o crescimento pessoal.

Como trabalhar as competências socioemocionais

As competências socioemocionais, como já foi dito, estão diretamente relacionadas a métodos de aprendizagem mais flexíveis e amplos. Abre-se então mais uma questão: como trabalhar as competências socioemocionais na escola e no dia a dia?

Dessa maneira, as competências socioemocionais devem ser desenvolvidas ao longo de toda a vida escolar, conforme o desenvolvimento do jovem em cada etapa de sua jornada acadêmica.

A Base Nacional Comum Curricular (BNCC), criada com o objetivo de
orientar a elaboração dos currículos de todas as escolas brasileiras,
adota dez competências gerais que perpassam todos os componentes
curriculares da Educação Básica. Essas competências podem ser
divididas em três grandes grupos, sendo um deles diretamente ligado ao
caráter e às atitudes do indivíduo.

As habilidades podem ser trabalhadas do âmbito individual ou coletivamente. A formação do aluno não se dá de um ano para o outro, ela é um processo, e como todo processo dentro da escola, deve ser planejado, acompanhado de perto e colocado em prática com a ajuda de profissionais capacitados. O próprio documento da BNCC firma um compromisso com a educação integral, que vai além do domínio de conteúdos.

Um tema para toda a vida

Observa-se que as competências socioemocionais devem ser desenvolvidas ao longo de toda a vida escolar, conforme o desenvolvimento do jovem em cada etapa de sua jornada acadêmica:

  • Valorizar e utilizar os conhecimentos historicamente construídos sobre o mundo físico, social, cultural e digital para entender e explicar a realidade, continuar aprendendo e colaborar para a construção de uma
    sociedade justa, democrática e inclusiva.
  • Exercitar a curiosidade intelectual e recorrer à abordagem própria das ciências, incluindo a investigação, a reflexão, a análise crítica, a imaginação e a criatividade, para investigar causas, elaborar e testar hipóteses, formular e resolver problemas e criar soluções (inclusive tecnológicas) com base nos conhecimentos das diferentes áreas.
  • Valorizar e fruir as diversas manifestações artísticas e culturais, das locais às mundiais, e também participar de práticas diversificadas da produção artístico-cultural.
  • Utilizar diferentes linguagens – verbal (oral ou visuomotora, como Libras, e escrita), corporal, visual, sonora e digital, bem como conhecimentos das linguagens artística, matemática e científica, para se expressar e partilhar informações, experiências, ideias e sentimentos em diferentes contextos e produzir sentidos que levem ao entendimento mútuo.
  • Compreender, utilizar e criar tecnologias digitais de informação e comunicação de forma crítica, significativa, reflexiva e ética nas diversas práticas sociais (incluindo as escolares) para se comunicar, acessar e disseminar informações, produzir conhecimentos, resolver problemas e exercer protagonismo e autoria na vida pessoal e coletiva.
  • Valorizar a diversidade de saberes e vivências culturais e apropriar-se de conhecimentos e experiências que lhe possibilitem entender as relações próprias do mundo do trabalho e fazer escolhas alinhadas ao exercício da cidadania e ao seu projeto de vida, com liberdade, autonomia, consciência crítica e responsabilidade.
  • Argumentar com base em fatos, dados e informações confiáveis, para formular, negociar e defender ideias, pontos de vista e decisões comuns que respeitem e promovam os direitos humanos, a consciência socioambiental e o consumo responsável em âmbito local, regional e global, com posicionamento ético em relação ao cuidado de si mesmo, dos outros e do planeta.
  • Conhecer-se, apreciar-se e cuidar de sua saúde física e emocional, compreendendo-se na diversidade humana e reconhecendo suas emoções e as dos outros, com autocrítica e capacidade para lidar com elas.
  • Exercitar a empatia, o diálogo, a resolução de conflitos e a cooperação, fazendo-se respeitar e promovendo o respeito ao outro e aos direitos humanos, com acolhimento e valorização da diversidade de indivíduos e de grupos sociais, seus saberes, identidades, culturas e potencialidades, sem preconceitos de qualquer natureza.
  • Agir pessoal e coletivamente com autonomia, responsabilidade, flexibilidade, resiliência e determinação, tomando decisões com base em princípios éticos, democráticos, inclusivos, sustentáveis e solidários.

Referências

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular (BNCC). 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/. Acesso em: 20 jul. 2022.

COMPETÊNCIAS socioemocionais. Prô Renata Farias, 14 maio 2020. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=RKpeXnt3Nr0. Acesso em: 20 jul. 2022.

FONTE, Paty. Competências socioemocionais na escola. Rio de Janeiro: Wak Editora, 2019.

FRAGMENTOS – para pensar habilidades socioemocionais. Suelen Nery, 2 jun. 2020. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=V-rXgE_ZDLg. Acesso em: 20 jul. 2022.

GARCIA, Carol. Competências socioemocionais em sala de aula: guia prático do ensino infantil ao ensino superior. Salto, SP: Schoba Editora, 2020.

INSTITUTO Ayrton Senna – Competências Socioemocionais. Escola de Tempo Integral, 12 set. 2014. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=mPdEkpATqss. Acesso em: 20 jul. 2022.

LÍDER EM MIM (LEM). Home. 2022. Disponível em: https://www.olideremmim.com.br/. Acesso em: 20 jul. 2022.

ROSSANDRO Klinjey – Analfabetismo emocional e educação dos sentimentos. Rossandro Klinjey, 28 abr. 2021. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=ZXd1q1-DxCw. Acesso em: 20 jul. 2022.

Próximas Matérias

Quem faz?