Médico explica como o pensamento influencia na nossa defesa imunológica

Cada vez mais os estudos científicos mostram o quanto os pensamentos têm impacto na imunidade. No entanto, há mais de 70 anos, o Espírito André Luiz, por meio da psicografia de Chico Xavier, já nos apontava nessa direção, que apenas recentemente se tornou objeto de estudo de cientistas de todo o mundo.

Nesta época de pandemia da Covid-19, conhecer um pouco sobre a relação pensamento e imunidade torna-se cada vez mais urgente. Mais do que nunca, a máxima “orai e vigiai” é necessária. Por isso, para esclarecer um pouco mais sobre o tema, buscamos a recente palestra do presidente da Associação Médico-Espírita do Mato Grosso do Sul (AME-MS) e vice-presidente da Associação Médico-Espírita Internacional (AME-Internacional), o médico Décio Iandoli Jr., no Congresso da AME-Internacional, realizado de forma virtual em 21 e 22 de novembro.

Sob o título Ação dos pensamentos na resposta imunitária – da revelação espírita ao pensamento científico, o dr. Iandoli Jr. traçou uma relação dos estados emocionais com a imunidade, tendo como base artigos científicos e a Doutrina Espírita, especialmente as obras de André Luiz.

Conheça, a seguir, alguns destaques da palestra. A íntegra pode ser acessada no site da AME-Internacional. Preparamos também um podcast da Folha Espírita com mais detalhes sobre o tema. Ouça no Spotify, Google Podcast, Apple Podcast, Anchor e principais plataformas de podcast.

Impacto do luto e dos traumas físicos e psicológicos no sistema imunológico

Um estudo analisou um grupo de 80 pais em luto contra um outro com 80 pais que não sofreram nenhuma perda. Os cientistas avaliaram ambos duas semanas e seis semanas após as mortes. Quanto mais próximo da ocorrência dos óbitos, maior o estado proinflamatório dos pacientes que sofreram as perdas. Isso mostra como o estado emocional – e obviamente os pensamentos que estão sendo emitidos a partir das emoções – tem impacto sobre o sistema imunológico.

“Não existe hoje dúvida no meio científico de que o estado emocional influencia no estado imunológico. O que precisa avançar são as explicações científicas de como isso acontece”

Ainda tendo como exemplo situações drásticas de perda, um outro estudo publicado na revista científica Behaviour Medicine analisou 260 pacientes, entre 35 e 84 anos de idade, que sofreram perdas, contra 269 que não tinham passado por nenhuma situação de luto. O resultado mostrou que os marcadores de atividade inflamatória aumentavam quanto mais próximos da perda e quanto mais próximos os pacientes eram dos parentes que desencarnaram. “Ou seja, quanto maior o impacto emocional negativo, maior a influência sobre o sistema imunológico”, explicou Iandoli Jr.

As evidências científicas de como o pensamento influi na imunidade não param por aí. Um outro estudo analisou o sistema imunológico de 29 crianças que sofreram abusos físicos ou psicológicos contra o de 17 crianças que não passaram por nenhum desses traumas. “As crianças que sofreram abusos, que foram agredidas, que passaram por processos de emoções negativas e de estresse têm maior chance de desenvolver doenças imunológicas, principalmente as de atividade reumática, porque ficam com a imunidade celular superativada”, destaca o médico.

“Não existe hoje dúvida no meio científico de que o estado emocional influencia no estado imunológico. O que precisa avançar são as explicações científicas de como isso acontece”, acrescentou.

Sentimentos positivos também contribuem para a defesa imunológica

Um trabalho publicado recentemente na American Psychological Association (Associação Americana de Psicologia) mostra que indivíduos otimistas ou com postura emocional mais positiva apresentam menor nível das citocinas inflamatórias, isto é, têm menor quantidade das sustâncias do organismo que atuam promovendo o processo inflamatório.

Um outro artigo sobre a influência das emoções positivas e da saúde psíquica na imunidade biológica levanta a hipótese de a causa ser a diminuição do tônus vagal, ou seja, a redução dos estados de estresse pode gerar um efeito positivo a médio e a longo prazos no sistema imunológico. “Existe uma relação entre os estados emocionais e a imunidade. O que a ciência ainda está começando a estudar são os mecanismos pelos quais este efeito é gerado. No entanto, André Luiz, por meio da psicografia de Chico Xavier, trata da relação entre pensamento e saúde há mais de 70 anos”, destacou o médico.

Respostas nas obras de André Luiz

No livro Nosso Lar, Veneranda afirma que “o pensamento é a base das relações espirituais dos seres entre si”, ou seja, é ele que nos conecta. E diz também que “o pensamento em si é a base de todas as mensagens silenciosas da ideia nos maravilhosos planos da intuição entre os seres de toda espécie”.

De acordo com Iandoli Jr., “a ideia, que é produto da alma, acaba gerando o pensamento; o pensamento é o veículo do sentimento; é o veículo da ideia. Veneranda faz a relação entre o pensamento, a ideia e os planos da intuição. Eu costumo ver alguns cientistas que são materialistas usarem a palavra ‘intuição’ e não suspeitam que a intuição por si só já é um efeito espiritual, já é uma interferência espiritual sobre o seu próprio pensamento”.

Em Evolução em dois mundos, André Luiz diz que “a partícula de pensamento, pois, como corpúsculo fluídico, tanto quanto o átomo, é uma unidade na essência a subdividir-se, porém, em diversos tipos, conforme a quantidade, qualidade, o comportamento e as trajetórias dos componentes que a integram. E assim como o átomo é uma força viva e poderosa na própria contextura, passiva, entretanto, diante da inteligência que a mobiliza para o bem ou para o mal, a partícula de pensamento, embora viva e poderosa na composição em que se derrama do Espírito que a produz, é igualmente passiva perante o sentimento que lhe dá forma e natureza para o bem ou para o mal”.

Para Iandoli Jr., “a gente observa que André Luiz fala da partícula do pensamento, em que o pensamento é um material fluídico, uma matéria pouco densa, fluídica, maleável. Tanto quanto átomo, a partícula do pensamento é utilizada para a produção de manifestações diferentes, e o tipo de pensamento vai variar de acordo com o tipo de ideia ou de sentimento que o gerou”.

A mente produz o pensamento por intermédio de ideias e sentimentos

Ainda em sua obra, André Luiz explica que a mente produz o pensamento por meio de ideias e sentimentos. Esse pensamento influencia primeiro a região cortical do cérebro e depois vai impactar as células. “O pensamento flui da mente, a mente impacta o cérebro, e o cérebro vai impactar as demais células, produzindo saúde ou doença. Quando geramos um pensamento deletério, e nós usamos esses pensamentos deletérios com alguma frequência, acabamos gerando essa forma-pensamento que fica presa na nossa psicosfera. André Luiz chamou isso de vermes mentais, ou larvas mentais, que seriam formas geradas pelo nosso próprio pensamento desarmonizado e que acaba funcionando como uma forma de looping, repetindo o produzindo uma reentrada desses pensamentos na nossa consciência. Isso seria alguma coisa também extremamente deletéria para a nossa saúde”, explicou o médico.

Ainda sobre o pensamento, André Luiz diz que é “fácil entender que todo o desregramento de natureza física ou moral faz se refletir de imediato por reações mentais consequentes sobre as províncias celulares, determinando reações favoráveis ou desfavoráveis ao equilíbrio orgânico”.

E na obra Domínios da mediunidade, André Luiz alerta “que daí resultam o impositivo da vigilância sobre a nossa própria orientação, de vez que somente a conduta reta sustenta o reto pensamento; e de posse do reto pensamento, a oração, qualquer que seja o nosso grau de cultura intelectual, é o mais elevado toque de indução para que nos coloquemos para logo em regime de comunhão com as esperas superiores”.

Desta forma, podemos chegar à conclusão de que o pensamento tem influência na saúde; deixando claro o poder da oração sincera e da necessidade de vigia dos pensamentos para a manutenção da saúde física e psíquica.

Para Iandoli Jr., “independentemente de qual seja a religião, se houver uma oração, não a oração mecânica, declamando palavras, falando em voz alta para tentar impressionar as pessoas que estão ao redor, mas a prece que vem da alma, do nosso pensamento, dos nossos sentimentos mais profundos, mais sinceros, em que nós buscamos a conexão com o Alto, com a espiritualidade superior, quando nós agimos na caridade, isso, sim, traz o pensamento reto, que gera a nossa conexão com as esferas superiores e vai induzir a nossa imunidade à saúde. A simplicidade, a humildade, a afabilidade sem limites e o perdão incondicional estabelecem a imunologia perfeita”.

Fontes

AME-Internacional.

Behaviour Medicine.

American Psychological Association.

Próximas Matérias

Quem faz?