Os avanços da ciência e as necessidades do coração

Ao consolidarmos todo o material que compõe a edição da Folha Espírita de fevereiro, temos a alegria de compartilhar com você reflexões oportunas e, ao mesmo tempo, carregadas de muita esperança. Esse é o caso, por exemplo, do artigo do dr. Ricardo de Souza Cavalcante, que nos revela com muita clareza como os esforços coletivos de cientistas do mundo todo podem apresentar para a humanidade alguns caminhos para diminuirmos o impacto da Covid-19, mostrando dados relevantes sobre a importância da vacinação ao longo da História. Além disso, deixa-nos um convite, com dados científicos e revelações espirituais, sobre o impacto de nossas emoções no estado imunológico.

O dr. Vicente Pessoa Jr., em um artigo baseado em sua palestra no primeiro Congresso Virtual da AME-Internacional, nos proporciona um verdadeiro banho cultural ao resgatar informações sobre o papel das pandemias ao longo da História e também nos apresenta a sua importância ao impulsionarem desenvolvimentos em diversas áreas. Vale muito a leitura.

Em tempos de tantas discussões, descobertas e práticas para a cura da humanidade no que tange aos impactos da pandemia, encontramos nas reflexões de Sandra Marinho, na coluna “Educa tua Alma”, um roteiro seguro pautado nas lições do Cristo para o verdadeiro processo de cura da alma nas situações do nosso cotidiano. Se buscamos com tanta ênfase a cura para o corpo e, é claro, com a necessidade que a situação emergencial nos traz, não devemos nos esquecer de nos aprofundarmos na verdadeira cura da alma.

O relato emocionante de um caso clínico que está na coluna “Diário de um Médico Espírita” é para nós um sinal claro dos rumos que, ao longo dos anos, tem sido trilhado e, com certeza, no atual momento que vivemos deverá ser mais e mais ampliado, que é a prática efetiva da espiritualidade no cuidado do paciente.

Nossos corações se acalmam quando lemos na coluna de W.A. Cuin que é preciso que continuemos a semear o bem, o amor e os valores cristãos sem que tenhamos pressa para a colheita, visando, principalmente, desenvolvermos nossa compreensão de que tudo segue o planejamento divino de nosso Mestre Jesus.

Como vemos, fevereiro nos traz excelentes reflexões, que reforçam as palavras do benfeitor Emmanuel em O Consolador, na questão n. 204, que nos diz: “O sentimento e a sabedoria são as duas asas com que a alma se elevará para a perfeição infinita. No círculo acanhado do orbe terrestre, ambos são classificados como adiantamento moral e adiantamento intelectual, mas, como estamos examinando os valores propriamente do mundo, em particular, devemos reconhecer que ambos são imprescindíveis ao progresso, sendo justo, porém, considerar a superioridade do primeiro sobre o segundo, porquanto a parte intelectual sem a moral pode oferecer numerosas perspectivas de queda, na repetição das experiências, enquanto que o avanço moral jamais será excessivo, representando o núcleo mais importante das energias evolutivas”.

Por isso, se por um lado temos acompanhando os avanços da ciência e da tecnologia, que nos oferecem respostas aos desafios da evolução humana, bem como para as necessidades do momento atual, não podemos deixar de colocar em prática e propagar as necessidades da evolução e do desenvolvimento da “asa do sentimento”, como bem nos explica o benfeitor. Se no passado as pandemias nos proporcionaram avanços científicos e materiais, nos dias de hoje o convite será para que também possamos crescer com os valores morais e seguir firmes na semeadura do bem e do amor sobre a Terra, fazendo nossa parte. Contemos com os avanços da ciência sem nos esquecermos da necessidade de transformar nossos corações.

Que Jesus continue sempre a nos amparar nesta travessia!

Próximas Matérias

Quem faz?