Retrospectiva 2021: sim, há muito o que celebrar

Muito já se falou e se escreveu sobre os desafios vividos por todos nós em 2021, seja em relação à saúde, economia, ao meio ambiente e a muitos outros aspectos de nossa vida em sociedade. Não podemos nos esquecer, porém, que o planeta se encontra em constante evolução, e todo desafio traz uma oportunidade de aprimoramento e aprendizagem. A questão n. 740 de O livro dos Espíritos nos ensina: “Os flagelos são provas que dão ao homem ocasião de exercitar a sua inteligência, de demonstrar sua paciência e resignação ante a vontade de Deus e que lhe oferecem ensejo de manifestar seus sentimentos de abnegação, de desinteresse e de amor ao próximo, se o não domina o egoísmo”. Acompanhe a Retrospectiva 2021 da Folha Espírita!

No livro Palavras de Emmanuel, psicografado por Chico Xavier, o mentor também nos alerta: “A existência na Terra é um livro que estás escrevendo… Cada dia é uma página… Cada hora é uma afirmação de tua personalidade, através das pessoas e das situações que te buscam. […] Não menosprezes o ensejo de criar epopeia de amor em torno do teu nome. […] As boas obras são frases de luz que endereças à humanidade inteira”.

Dessa forma, ao olharmos para o ano que ficou para trás, a Folha Espírita faz questão de destacar aqui alguns dos avanços e das conquistas que 2021 nos trouxe, com a certeza de que muitos outros acontecerão em 2022 durante a redação das novas páginas do livro que a humanidade seguirá escrevendo nos próximos 365 dias.

Retrospectiva indica que brasileiros estão entre os que mais se vacinaram contra a Covid no mundo

Em 2020, a urgência da pandemia global do novo coronavírus fez com que governos e entidades privadas se unissem e não medissem esforços para custear o trabalho de cientistas para o desenvolvimento de vacinas e remédios contra a Covid-19, num exemplo mundial de colaboração e inovação que só a ciência pode nos proporcionar. Assim que disponível no nosso país, o brasileiro mostrou uma adesão impressionante à vacinação, comprovada pelos milhões de registros e posts no Instagram e Facebook de pessoas se imunizando com orgulho. Atualmente, o Brasil já supera os americanos e alguns países europeus em cobertura vacinal graças à forte adesão da população.

Os dados do consórcio de veículos de imprensa criado para acompanhar os casos positivos e a imunização contra a Covid-19 mostraram que, até 26 de dezembro de 2021, mais de 142 milhões de pessoas tomaram a segunda dose ou dose única de vacinas e, assim, estão totalmente imunizadas no país, representando 66,82% da população brasileira. A pandemia não acabou, novas variantes estão sendo descobertas, novas doses de reforço vacinal serão necessárias, os cuidados preventivos não podem ser abandonados, mas a confiança do brasileiro na ciência mostra mais uma vez que podemos ser exemplos positivos mundiais em vários campos (leia mais no artigo Vacina é fruto do progresso intelectual da humanidade).

União global para combater a emergência climática

Mais do que nunca, 2020 nos mostrou os efeitos devastadores do aquecimento global. Em novembro, quase 200 países participaram da COP26, conferência das Nações Unidas sobre mudanças climáticas, num esforço global para chegar a um acordo para tentar garantir o cumprimento da meta de limitar o aquecimento global a 1,5 °C. O texto estabelece a necessidade de redução global das emissões de dióxido de carbono em 45% até 2030, na comparação com 2010, e de neutralidade de liberação de CO2 até 2050 – quando emissões são reduzidas ao máximo e as restantes são totalmente compensadas por reflorestamento e tecnologias de captura de carbono da atmosfera.

Ainda há um longo caminho a ser percorrido na defesa do clima e do meio ambiente, no entanto, a COP-26 mostrou ao mundo que existem novas oportunidades para os países trabalharem juntos para evitar uma catástrofe climática nas próximas décadas (leia mais no editorial Cop 26: um chamado a cada um de nós contra o materialismo e também na Folha Espírita de novembro o especial sobre a conferência do clima).

Emocionante participação feminina nas Olimpíadas de Tóquio

Quem não vibrou e se emocionou com as medalhas olímpicas de Rebeca Andrade, Rayssa Leal, Ana Marcela Cunha, Bia Ferreira, Martine Grael e Kahena Kunze, entre muitas outras atletas brasileiras nas Olímpiadas de Tóquio? O Brasil encerrou os jogos olímpicos no Japão com o melhor desempenho feminino até agora em todas as Olimpíadas. Elas subiram ao pódio em Tóquio nove vezes, antes foram cinco vezes no Rio, em 2016. O maior número até agora havia sido em Pequim, nos jogos de 2008, quando levaram sete medalhas para casa. Das 21 medalhas com as quais o Brasil conquistou, nove foram conquistadas por mulheres ou equipes de mulheres, representando 41% do total (leia mais no artigo Jogos olímpicos e espiritualidade, a vivência dos ensinamentos do Cristo).

Pouso em Marte, o planeta vermelho

Em 18 de fevereiro, o esforço humano para desbravar e conhecer o espaço teve mais uma conquista. A sonda Perseverance, da Nasa, pousou em Marte após uma viagem de sete meses saindo da Terra. A sonda espacial desenvolvida pela Nasa viajou incríveis 480 milhões de quilômetros e entrou no planeta numa velocidade de 20 mil km/h. Agora, por mais de 687 dias terrestres, ou ano marciano, o robô permanecerá no planeta vermelho para pesquisar o solo, recolher amostras e trazer tudo de volta para ser estudado na Terra (leia mais no artigo Marte sob as lentes do mundo e as visões do Espírito, publicado em março de 2021).

É possível criar matéria e antimatéria a partir da energia pura

Em agosto de 2021, cientistas do Laboratório Nacional de Brookhaven, do Departamento de Energia dos Estados Unidos, surpreenderam o mundo ao mostrar que se pode criar matéria e antimatéria a partir da energia pura. Segundo o artigo publicado na revista Physical Review Letters, foram acelerados dois núcleos atômicos a 99,995% da velocidade da luz, em torno dos quais se formaram nuvens de fótons – as partículas elementares da luz. Ao viajarem no mesmo ritmo, em direções opostas, esses fótons se chocaram. Foi assim que, dessa colisão, os estudiosos encontraram evidências da formação de um par elétron-pósitron, ou seja, matéria! Essa conclusão traz implicações importantes não apenas para a ciência, ao corroborar a famosíssima teoria da equivalência massa-energia de Albert Einstein, aquela da famosa equação E=mc2, mas também para a religiosidade, ao abrir caminho para comprovações de ensinamentos trazidos por André Luiz em suas obras (leia mais no artigo “Faça-se a matéria!”. E a matéria foi feita).

Ações afirmativas para combater o racismo em todo o mundo

Ainda na retrospectiva de 2021, o mundo todo assistiu estarrecido às imagens do assassinato de George Floyd nos Estados Unidos, dando início ao movimento Black Lives Matter (Vidas Negras Importam, em português). Apesar de atos de violência contra negros serem, infelizmente, ainda frequentes em todo o mundo, diversos movimentos de inclusão de negros na sociedade, em especial no mundo corporativo, ganharam força em 2021. No Brasil, diversas empresas criaram programas específicos para a contratação de profissionais e estudantes negros e pardos, assim como políticas institucionais de combate ao racismo foram aprovadas em diversos estados. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), os negros representam 70% do grupo abaixo da linha da pobreza. Nessa perspectiva, construir uma sociedade mais igualitária requer a compreensão do papel que cada um de nós desempenha para contribuir para a maior inclusão e equidade (leia mais no artigo Que país queremos para nós e para os nossos filhos? Um país para alguns? Para a maioria? Ou para todos?).

Solidariedade cresce com ações comunitárias

Ainda neste nosso balanço de 2021, vale relembrar que de acordo com a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), 811 milhões de pessoas passam fome hoje no mundo, e um adicional de 132 milhões sofrem com as ameaças da insegurança alimentar, especialmente com a pandemia de Covid-19. Em 2021, o Mapa da Fome voltou a incluir o Brasil entre os países que concentram 5% da população em condição de insegurança alimentar. Mais de 125 milhões de brasileiros (59,6%) estão enfrentando desde a diminuição na quantidade de alimentos até a falta de acesso a eles.

“Fora da caridade não há salvação” é a máxima nos ensinada por Allan Kardec. Mais do que nunca, esse ensinamento foi praticado em 2021. É impossível aqui quantificar as ações de solidariedade que ocorreram em 2021, mas foi possível notar como a onda de solidariedade cresceu para arrecadar alimentos, medicamentos e outros itens de necessidade básica para amenizar a vulnerabilidade social no Brasil. A rede de solidariedade abrangeu de grupo de vizinhos a grandes empresas.

Segundo a pesquisa World Giving Index 2021 (WGI), feita pela Charities Aid Foundation (CAF), o Brasil subiu 14 posições no Ranking Global de Solidariedade em 2020, alcançando 54º lugar numa lista de 114 nações. De acordo com uma matéria divulgada no jornal Valor Econômico, o ranking de 2021 ainda não foi divulgado, mas dados preliminares mostram que as ações solidárias foram ainda maiores no ano que se encerrou. “O índice de pessoas que relataram ajudar um estranho chega a impressionantes 55%, o mais alto que registramos em nossa pesquisa anual e que mostra preocupação genuína por nossos semelhantes”, escreve no relatório Neil Heslop, chief executive da CAF. O total equivale a 3 bilhões de pessoas contribuindo de alguma forma para aliviar o sofrimento causado pela Covid-19 (Leia mais no artigo Desafios sociais e econômicos permanecem e exigem mais de nós).

Leia +: Evangelho, um conjunto de lições para nortear as nossas existências

Inscreva-se em nosso canal no Youtube!

Próximas Matérias

Quem faz?