Uma casa no campo – as moradas na casa do Pai

Mãos segurando uma casa

Estava na fila do caixa dentro do supermercado quando duas pessoas a minha frente revelavam suas angústias na espera para serem atendidas. Uma delas mais exaltada ameaçava chamar o gerente, pois entendia que a jovem caixa era muito morosa no registro das compras da pessoa da vez. Eu, que tudo ouvia, fiquei imaginando se na fila da reencarnação existiam essas queixas, tipo:

– Vou falar com o meu mentor e me queixar dessa lerdeza para voltarmos à Terra. Tenho um corpo novinho me esperando e não posso perder tempo aqui!

Afinal de contas, apressadinhos existem nas duas dimensões, com toda certeza.

Outra pessoa a minha frente afirmou categoricamente:

– Quero uma casa no campo… Ir embora para o interior e fugir desse estresse de fila para tudo…

A vida cotidiana é um espetáculo para quem tem na escrita, como eu, uma oportunidade de realizar terapia e ganhar aprendizado. Ao ouvir a frase “eu quero uma casa no campo”, imediatamente uma música do cantor e compositor Zé Rodrix ecoou na minha cabeça:

Eu quero uma casa no campo

Onde eu possa compor muitos rocks rurais

E tenha somente a certeza

Dos amigos do peito e nada mais

Eu quero uma casa no campo

Onde eu possa ficar no tamanho da paz

E tenha somente a certeza

Dos limites do corpo e nada mais

Eu quero carneiros e cabras

Pastando solenes no meu jardim

Eu quero o silêncio das línguas cansadas

Eu quero a esperança de óculos

E meu filho de cuca legal

Eu quero plantar e colher com a mão

A pimenta e o sal

Eu quero uma casa no campo

Do tamanho ideal, pau a pique e sapê

Onde eu possa plantar meus amigos

Meus discos e livros e nada mais

Onde eu possa plantar meus amigos

Meus discos e livros e nada mais

Onde eu possa plantar meus amigos

Meus discos e livros e nada mais

Mentalmente, cantarolei a música sensível e me lembrei do terceiro capítulo de O Evangelho Segundo o Espiritismo: “Há muitas moradas na casa de meu pai”. Então me dei conta de que cada um de nós mora onde pensa, reside nas ideias que cultiva. Em tempos de viagens para o espaço anunciadas pelos telejornais, somos convidados a tirar os olhos da casa do campo desejada, dos condomínios apertados nos quais vivemos para contemplar os condomínios galácticos, as moradas de meu Pai.

A fila andava ainda lentamente, e eu empurrava o meu cesto de comprar com o pé. O sujeito exaltado que queria falar com o gerente não se conteve e soltou uma piadinha:

– Que lerdeza, hein minha filha!?

A moça nada respondeu e preferiu habitar a morada do silêncio que fica dentro dela mesma. O cliente incomodado, embora já estivesse sendo atendido, optou por residir na morada do sarcasmo e ironizou mais uma vez a moça, que permaneceu inabalável em sua casinha de paz. Diante da falta de resposta da caixa, o irrequieto cliente perdeu a força para reivindicar o que o orgulho dele tanto exigia.

Ele saiu do caixa após o atendimento, mas deixou o fel que revela, na verdade, que ele mora numa “favela emocional” onde não existe a paz:

– Da próxima vez falo com o gerente! – ameaçou.

– Bom dia, senhor! – A caixa redarguiu sem abandonar a morada da serenidade.

Empurrei o cesto mais um pouquinho, pois seria atendido em breves minutos. Olhei para trás e vi que a fila estava um pouco grande, contemplei os semblantes diferentes de cada pessoa, as diversas moradas mentais em que cada uma delas habitava naquele momento. Semblantes leves e serenos, semblantes carrancudos, olhares felizes, faces meditativas, tantas moradas mentais, tantas escolhas onde viver.

Fui ao espaço mentalmente, saltei a estratosfera afora e pensei nas moradas planetárias. Lembrei-me das conchinhas na praia e do castelo de areia construído por minha neta no último verão, então me lembrei das moradas oceânicas e suas regiões abissais. No dia anterior, tinha ido ao laboratório realizar um hemograma completo para ver o nível da glicose e do colesterol, então pensei nas moradas microscópicas.

Jesus é filósofo, cientista, poeta e tantas outras coisas, mas também um grande astrônomo que nos fala das infinitas moradas da casa do Pai. Meu deleite filosófico na fila do mercado acabou quando a caixa sorrindo, chamou:

– Senhor, sua vez…

Enquanto ela passava os produtos, me senti feliz ao recordar a lição: “Não se turbe o vosso coração. Credes em Deus, crede também em mim. Há muitas moradas na casa de meu Pai; se assim não fosse, já eu vo-lo teria dito, pois me vou para vos preparar o lugar. Depois que me tenha ido e que vos houver preparado o lugar, voltarei e vos retirarei para mim, a fim de que onde eu estiver, também vós aí estejais” (S. João, 14:1-3).

Sem dúvida, nós podemos ter uma casa no campo dentro do nosso coração, um espaço sagrado na nossa mente e tudo depende de onde desejamos habitar. Moradas celestes, moradas planetárias e moradas mentais, todas concretas e reais. A diferença entre elas é que almejamos viver nas moradas celestes, e as moradas planetárias são as grandes escolas para lograr essa conquista, mas as moradas mentais que nunca iremos abandonar refletem o que realmente somos, portanto, todos os esforços para melhorar essa habitação são necessários.

Eu quero uma casa no campo, no campo do meu coração. Pai nosso que estais no céu…

Leia também: Mais artigos da coluna Palavras para Comer

Fonte

O Evangelho segundo o Espiritismo, Allan Kardec.

Próximas Matérias

Quem faz?