AMIGO FOLHA ESPÍRITA

Você pode ajudar a divulgação da Doutrina. Colabore com a Folha Espírita e faça a sua parte

Quero Contribuir

ir

ir

ir

ABRIL/2024

ir

MARÇO/2024

ir

FEVEREIRO/2024

ir

JANEIRO/2024

ir

DEZEMBRO/2023

ir

NOVEMBRO/2023

ir

OUTUBRO/2023

ir

SETEMBRO/2023

ir

AGOSTO/2023

ir

JULHO/2023

ir

JUNHO/2023

ir

MAIO/2023

ir

ABRIL/2023

ir

MARÇO/2023

ir

FEVEREIRO/2023

ir

JANEIRO/2023

ir

DEZEMBRO/2022

ir

NOVEMBRO/2022

ir

OUTUBRO/2022

ir

SETEMBRO/2022

ir

AGOSTO/2022

ir

JULHO/2022

ir

JUNHO/2022

ir

MAIO/2022

ir

ABRIL/2022

ir

MARÇO/2022

ir

FEVEREIRO/2022

ir

JANEIRO/2022

ir

DEZEMBRO/2021

ir

NOVEMBRO/2021

ir

OUTUBRO/2021

ir

SETEMBRO/2021

ir

AGOSTO/2021

ir

JULHO/2021

ir

JUNHO/2021

ir

MAIO/2021

ir

ABRIL/2021

ir

MARÇO/2021

ir

FEVEREIRO/2021

ir

JANEIRO/2021

ir

DEZEMBRO/2020

ir

NOVEMBRO/2020

ir

OUTUBRO/2020

ir

O Espírito de Cornélio Pires

Este livro é uma psicografia de Chico Xavier e Waldo Vieira e fala sobre a vida de Cornélio Pires (Tietê, SP, 13 de julho de 1884 – São Paulo, SP, 17 de fevereiro de 1958), que foi um escritor, jornalista, folclorista, poeta e cantor paulista. Denominado o “Bandeirante da música caipira”, seu trabalho de pesquisa e promoção da música, linguagem e cultura geral do personagem conhecido como “caipira” (habitante típico do interior de São Paulo e Minas Gerais) ocupa um lugar de destaque pelo seu pioneirismo e desenvoltura na abordagem da matéria.

O confrade Elias Barbosa, cujo nome já se firmou na admiração de quantos lhe conhecem a cultura literária, organizou, com as páginas enviadas mediunicamente pelo Espírito Cornélio Pires, por intermédio de Francisco Cândido Xavier, essa preciosa coletânea de trovas e sonetos, todos naquele inconfundível estilo deste consagrado poeta e humorista. “Selecionamos um total de cento e duas poesias, sendo vinte e um sonetos e trovas as demais. Procuramos colocar entre um soneto e outro quatro quadras. Todas as poesias de números ímpares são devidas à psicografia de Francisco Candido Xavier, e as de números pares à de Waldo Vieira. Acresce dizer que todas as poesias que constam nesta obra foram psicografadas em sessões públicas da Comunhão Espírita Cristã, a maioria sob nosso testemunho pessoal e de dezenas de pessoas de Uberaba e de outras cidades do Brasil e, às vezes, da Argentina e de outros países vizinhos”.

Próximas Matérias