AMIGO FOLHA ESPÍRITA

Você pode ajudar a divulgação da Doutrina. Colabore com a Folha Espírita e faça a sua parte

Quero Contribuir

ir

ir

ir

ABRIL/2024

ir

MARÇO/2024

ir

FEVEREIRO/2024

ir

JANEIRO/2024

ir

DEZEMBRO/2023

ir

NOVEMBRO/2023

ir

OUTUBRO/2023

ir

SETEMBRO/2023

ir

AGOSTO/2023

ir

JULHO/2023

ir

JUNHO/2023

ir

MAIO/2023

ir

ABRIL/2023

ir

MARÇO/2023

ir

FEVEREIRO/2023

ir

JANEIRO/2023

ir

DEZEMBRO/2022

ir

NOVEMBRO/2022

ir

OUTUBRO/2022

ir

SETEMBRO/2022

ir

AGOSTO/2022

ir

JULHO/2022

ir

JUNHO/2022

ir

MAIO/2022

ir

ABRIL/2022

ir

MARÇO/2022

ir

FEVEREIRO/2022

ir

JANEIRO/2022

ir

DEZEMBRO/2021

ir

NOVEMBRO/2021

ir

OUTUBRO/2021

ir

SETEMBRO/2021

ir

AGOSTO/2021

ir

JULHO/2021

ir

JUNHO/2021

ir

MAIO/2021

ir

ABRIL/2021

ir

MARÇO/2021

ir

FEVEREIRO/2021

ir

JANEIRO/2021

ir

DEZEMBRO/2020

ir

NOVEMBRO/2020

ir

OUTUBRO/2020

ir

Indígenas brasileiros

Certamente, estudamos os povos indígenas na escola, porém, diante da atual realidade, com tantas notícias e informações, há necessidade de retomarmos o assunto.

Primeiramente, é importante esclarecer que atualmente devemos usar o termo “indígena”, pois “‘índio’ é um termo genérico, que não considera as especificidades que existem entre os povos indígenas, como as especificidades linguísticas, culturais e mesmo a especificidade de tempo de contato com a sociedade não indígena […] Em contrapartida, ‘indígena’ é uma palavra que significa ‘natural do lugar em que vive’. O termo exprime que cada povo, de onde quer que seja, é único” (Santos, 2022), explica Márcia Mura, doutora em História Social pela USP.

Quando falamos dos povos indígenas, nos referimos aos primeiros habitantes do Brasil. Eles eram os moradores originais, estavam aqui quando os portugueses chegaram, em 1500. “No contexto do território brasileiro, as evidências mais precisas apontam que a presença humana remonta 12 mil anos antes do presente”. Essa penetração, segundo o geógrafo Aziz Nacib Ab’Sáber, aconteceu na Amazônia, pois a região possuía vastos corredores de clima semiárido, o que facilitava a locomoção.

No entanto, uma descoberta desafia os pesquisadores. Existem vestígios arqueológicos que apontam a possibilidade de presença humana na região do atual Piauí há cerca de 43 mil anos. Contudo, os pesquisadores não possuem outra evidência que sustente isso como um fato.

Estima-se que, quando os portugueses chegaram, havia entre cinco e sete milhões de indígenas. Num primeiro momento, os contatos entre indígenas e brancos foram razoavelmente cordiais e marcados pelo escambo, ou seja, a troca de produtos. Quando os portugueses implantaram o sistema colonial e pretenderam transformar os indígenas em escravos agrícolas, segregou-os nos engenhos e privou-os da caça, da pesca e da luta contra os inimigos. Assim, instalou-se o conflito entre brancos e indígenas que segue até hoje.

Por que eram chamados de índios?O termo “índio” foi estabelecido por Cristóvão Colombo, genovês que chegou na América em 1492, acreditando que havia chegado na Índia. A palavra “índio” demonstra o desconhecimento dos europeus com relação à cultura indígena, pois se utilizaram de um mesmo termo para designar diferentes povos.

“A Organização das Nações Unidas (ONU) entende os índios como os povos e comunidades que possuem uma ligação histórica com as sociedades antepassadas que viveram no território brasileiro antes da chegada dos portugueses” (Silva, 2020). “Entre  os  povos  indígenas  existem  alguns  critérios  de  autodefinição mais aceitos, embora não sejam únicos e nem excludentes:

  • Continuidade histórica com sociedades pré-coloniais: ou seja, a descendência direta de povos que habitavam o Brasil antes de 1500.
  • Sistemas sociais, econômicos e políticos bem definidos: os povos indígenas possuem formas de organização distintas das da sociedade nacional. Essas formas indígenas não são padronizadas, mas marcadas pela diversidade.
  • Identificar-se como diferentes da sociedade nacional: a autoidentificação, como vimos, é um critério importante para que um povo ou pessoa possa ser classificado como indígena” (Brasil, 2006. p. 27).

Segundo Silva (2020), “Até a década de 1970, a utilização dos termos ‘índio’ ou ‘indígena’ era considerada por muitos povos indígenas como uma ofensa, uma vez que lembrava todo o histórico de mortandade e escravidão causadas pelos portugueses e porque tais termos eram associados a coisas negativas na mentalidade popular por conta da desinformação e do preconceito. O surgimento do movimento indígena, a partir dessa década, fez com que esses termos passassem a ser vistos como nomeações que geram identidade, pois foram utilizados para construir alianças entre os diferentes povos, no sentido de unir forças para lutar pela garantia dos seus direitos no Brasil”.

Povos indígenas no Brasil

O último censo realizado no Brasil mostra que existem 897 mil indígenas, distribuídos entre as 305 etnias existentes e por todas as regiões do país. Essas etnias são divididas pelos especialistas em quatro grandes grupos, estabelecidos com base no seu dialeto: Macro-Jê, Tupi, Karib e Aruak. Ainda assim, existem determinadas etnias que possuem dialetos que não se encaixam nas características de nenhum desses troncos. Dentre eles, podemos destacar dois troncos:

  • Macro-Jê: Boróro, Guató, Jê, Karajá, Krenák, Maxakali, Ofayé, Rikbaktsa e Yatê.
  • Tupi: Arikém, Awetí, Jurúna, Mawé, Mondé, Mundurukú, Puroborá, Ramaráma, Tuparí e Tupi-Guarani.

As 10 principais tribos indígenas no Brasil

Segundo dados do Instituto Socioambiental (ISA), “as tribos que mais se destacam pelo número de habitantes são:

  • Guarani: originários do tronco da família linguística tupi-guarani, os guaranis somam cerca de 85 mil habitantes no país. Eles vivem em diversos estados do Brasil e estão divididos em três grupos: kaiowá, mbya e ñadevaesse.
  • Ticuna: pertencente à família linguística ticuna, apresenta cerca de 50 mil habitantes que estão na Amazônia, sobretudo às margens do Rio Solimões. Eles são considerados o maior grupo indígena que vive na região.
  • Caingangue: proveniente do tronco da família linguística macro-jê, os caingangues reúnem cerca de 45 mil pessoas. Estão em quatro estados do Brasil: São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.
  • Macuxi: da família linguística Karib, os macuxis encontram-se, em grande parte, no estado de Roraima. Cerca de 30 mil indígenas vivem em aldeias e pequenas habitações isoladas pelo estado.
  • Guajajara: oriundos do tronco da família tupi-guarani, os 27 mil guajajaras existentes moram no estado do Maranhão.
  • Terena: da família linguística aruak, há cerca de 26 mil pessoas dessa etnia no território brasileiro. Encontram-se nos estados do Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e São Paulo.
  • Yanomami: da família linguística yanomami, esse grupo reúne cerca de 26 mil pessoas nos estados do Amazonas e Roraima.
  • Xavante: originários do tronco da família linguística macro-jê, os xavantes têm uma população de 18 mil habitantes, que estão concentrados em reservas indígenas no estado do Mato Grosso.
  • Potiguara: pertencem ao tronco da família linguística tupi-guarani. Os potiguaras somam cerca de 18 mil pessoas nos estados da Paraíba, Ceará, Pernambuco e Rio Grande do Norte.
  • Pataxó: da família linguística pataxó, esse grupo reúne cerca de 12 mil pessoas nos estados da Bahia e Minas Gerais”.

O assunto é tão rico que deixamos para a próxima edição da Folha Espírita a cultura dos povos indígenas.

Referências

BRASIL. O índio brasileiro: o que você precisa saber sobre os povos indígenas no Brasil de hoje. Brasília, DF: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade; LACED/Museu Nacional, 2006. Disponível em: https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000154565. Acesso em: 30 jan. 2023.

FELLET, João. “Dia do Índio”: estudo revela 305 etnias e 274 línguas entre povos indígenas do Brasil. BBC Brasil, 3 jul. 2016. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/brasil-36682290#:~:text=Segundo%20o%20instituto%2C%20há%20cerca,falam%20ao%20menos%20274%20l%C3%ADnguas. Acesso em: 30 jan. 2023.

PREFEITURA DE SANTOS. Roteiro de estudos. 2020. Disponível em: https://www.santos.sp.gov.br/?q=file/46365/download&token=FrFUyYVN#:~:text=Guarani%3A%20origin%C3%A1rios%20do%20tronco%20da,%3A%20kaiow%C3%A1%2C%20mbya%20e%20%C3%B1adevaesse. Acesso em: 30 jan. 2023.

QUADRO geral dos povos. [2023?]. Disponível em: https://pib.socioambiental.org/pt/Quadro_Geral_dos_Povos. Acesso em: 30 jan. 2023.

SANTOS, Emily. Índio ou indígena? Entenda a diferença entre os dois termos. G1, 19 abr. 2022. Disponível em: https://g1.globo.com/educacao/noticia/2022/04/19/indio-ou-indigena-entenda-a-diferenca-entre-os-dois-termos.ghtml. Acesso em: 30 jan. 2023.

SILVA, Daniel Neves. Povos indígenas do Brasil. [2022?]. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/brasil/o-indigena-no-brasil.htm. Acesso em: 30 jan. 2023.

SILVA, Daniel Neves. Índios – os primeiros habitantes do Brasil. [2020?]. Disponível em: https://escolakids.uol.com.br/historia/indios-os-primeiros-habitantes-do-brasil.htm. Acesso em: 30 jan. 2023. SPOSITO, Fernando. Nem cidadãos, nem brasileiros: indígenas na formação do Estado nacional brasileiro e conflitos na Província de São Paulo (1822-1845). São Paulo: Alameda Editorial, 2012.

Próximas Matérias