Para colher frutos da semente plantada é preciso determinação

“Avança na tarefa que te foi confiada e não temas. Se a fé representa a nossa coroa de luz, o trabalho em favor de todos é a nossa benção de cada dia (Emmanuel, no livro fonte viva, item 68).

Com grande frequência, muitas criaturas apresentam propósitos de trabalhar na melhoria de si mesmas e de ajudar a construir uma sociedade mais justa, fraterna e humana. Dão início às tarefas de iluminação interior, cooperando em diversos segmentos sociais, prestando colaboração em favor daqueles que sofrem e choram pelos longos caminhos da vida. No entanto, a tarefa de edificar um mundo melhor é extremamente difícil, espinhosa e requer muita paciência e resignação, pois que mudar hábitos, comportamentos e atitudes no homem é obra para o tempo.

Não podemos esperar resultados imediatos, pois eles aparecerão muito palidamente à medida que perseveramos na empreitada. A pressa, no campo social, tem sido fator de desestímulo para muita gente que carregava o ideal de servir no campo do bem, visto que não encontram as respostas que esperavam, depois de algumas ações na direção de quem mantém as mãos estendidas.

Geralmente quem se coloca na posição do necessitado de qualquer ordem, por si só, já deixa transparecer sua posição de “doente”, e Jesus, em Sua grande sabedoria, conhecendo a intimidade das criaturas, nos ensinou: “os sãos não precisam de médico”. Portanto, nem sempre se consegue a cura de uma hora para outra, situações existem que requerem tempo, determinação e grande dose de persistência.

Na verdade, quem se candidata a socorrer em qualquer setor de atividades precisa estar preparado para esperar o tempo certo de colher os frutos que nascerão das sementes que plantou. A natureza nos dá o exemplo disso quando requer as condições adequadas para que a planta possa responder satisfatoriamente ao lavrador.

O importante é avançar sempre na tarefa que a Providência Divina nos confiou, pois quando um serviço nos foi entregue é para que seja feito, sem reclamações, exigências ou lamentações.

Cristo, nosso grande benfeitor, em todas as lições do Seu monumental Evangelho nos conclama ao trabalho, à perseverança, ao otimismo e à total dedicação em favor do próximo, tanto que a caridade na Sua excelsa expressão nos informa que devemos ter indulgência para com todos, benevolência para com as imperfeições alheias e perdão das ofensas. Nisso resumiu o roteiro que devemos seguir pensando em edificar um mundo melhor.

Tanto Jesus quanto os seus discípulos não permaneceram em contemplação, e sim fizeram o uso da oração para o banho de iluminação interior tão necessário e imprescindível a cada um. Sem reclamações, lutaram, serviram e sofreram na lavoura ativa do bem, sem esmorecimento ou desânimo.

A obra do Mestre ainda não terminou, resta muito por ser feito, pois a humanidade chora e sofre por estradas indecisas e tortuosas carecendo de quem possa, com firmeza, permanecer à frente, dando exemplos de coragem, ânimo e certeza da vitória que virá, um pouco mais adiante.

Assim sendo, mesmo ante as grandes dificuldades que surgem, mesmo diante das barreiras de toda ordem que se levantam tentando impedir o avanço do nosso ideal, prossigamos confiantes com Paulo de Tarso quando escrevendo aos Hebreus disse: “nunca te deixarei, nem te desampararei”.

Portanto, se começamos um serviço em favor do próximo, em nome de Jesus, não esperemos resultados imediatos e sigamos destemidos, porque nunca estaremos sozinhos.

Fonte

EMMANUEL (Espírito). Fonte viva. Psicografado por Chico Xavier.

Próximas Matérias

Quem faz?