AMIGO FOLHA ESPÍRITA

Você pode ajudar a divulgação da Doutrina. Colabore com a Folha Espírita e faça a sua parte

Quero Contribuir

ir

ir

ir

ABRIL/2024

ir

MARÇO/2024

ir

FEVEREIRO/2024

ir

JANEIRO/2024

ir

DEZEMBRO/2023

ir

NOVEMBRO/2023

ir

OUTUBRO/2023

ir

SETEMBRO/2023

ir

AGOSTO/2023

ir

JULHO/2023

ir

JUNHO/2023

ir

MAIO/2023

ir

ABRIL/2023

ir

MARÇO/2023

ir

FEVEREIRO/2023

ir

JANEIRO/2023

ir

DEZEMBRO/2022

ir

NOVEMBRO/2022

ir

OUTUBRO/2022

ir

SETEMBRO/2022

ir

AGOSTO/2022

ir

JULHO/2022

ir

JUNHO/2022

ir

MAIO/2022

ir

ABRIL/2022

ir

MARÇO/2022

ir

FEVEREIRO/2022

ir

JANEIRO/2022

ir

DEZEMBRO/2021

ir

NOVEMBRO/2021

ir

OUTUBRO/2021

ir

SETEMBRO/2021

ir

AGOSTO/2021

ir

JULHO/2021

ir

JUNHO/2021

ir

MAIO/2021

ir

ABRIL/2021

ir

MARÇO/2021

ir

FEVEREIRO/2021

ir

JANEIRO/2021

ir

DEZEMBRO/2020

ir

NOVEMBRO/2020

ir

OUTUBRO/2020

ir

Jesus fez, podemos fazer também

Em verdade, em verdade vos digo que aquele que crê em mim fará também as obras que eu faço e outras maiores fará […]” (João 14:12).

Uma vez que Jesus ensinou e fez verdadeiros prodígios, dentro das leis naturais, ditando um manual de boa conduta aos seres humanos, que se colocado em prática nos assegurará uma confortável posição no futuro, obviamente guardadas as devidas proporções, podemos, na atualidade, também efetuar grandes realizações no estágio evolutivo em que nos encontramos.

Jesus curou o cego de Jericó. Claro, por certo, não conseguiremos devolver a visão a quem não a possuiu, mas não estamos impossibilitados de oferecer um frasco de colírio a quem está doente dos olhos.

Jesus devolveu os movimentos ao paralítico de Cafarnaum. De nossa parte, temos plenas condições de conseguir um par de muletas ou uma cadeira de rodas a quem não pode andar.

Jesus multiplicou pães e peixes matando a fome de uma multidão. Se quisermos, não será difícil destinar uma cesta básica de alimentos a uma família que passa por necessidades.

Jesus fez o discurso das bem-aventuranças no sermão da montanha. Com boa vontade, poderemos falar de esperanças e motivação a uma criatura que esteja passando por momentos de aflição e desespero.

Jesus não condenou a mulher pega em adultério que lhe foi apresentada pela multidão enfurecida. Compreendendo esse ensinamento, conseguiremos fazer o uso do perdão, evitando contendas, mágoas e ressentimentos.

Jesus aplacou a tempestade que ameaçava o barco em que estava com os pescadores. Poderemos aplacar a dor de um enfermo pobre ofertando analgésicos ou asserenar uma contenda entre pessoas em atrito.

Jesus entrou triunfante em Jerusalém, cercado por enorme multidão. Com iniciativas louváveis, será possível triunfar também diante das adversidades da vida, munidos de fé e confiança na Providência Divina, levantando recursos financeiros, por uma causa nobre, por exemplo.

Jesus enfrentou sua condenação e posterior crucificação com serenidade, perdoando o desequilíbrio dos agressores. Diante de injúrias, ofensas e agressões, que porventura venhamos a sofrer, podemos usar a resignação e a calma evitando problemas maiores.

Jesus reestabeleceu a saúde de Lázaro num processo letárgico. Sensíveis aos sofrimentos físicos das criaturas, com dedicação, conseguiremos algo fazer para minorar seus quadros de dor.

Jesus foi ao encontro de Zaqueu, que muito tinha errado na vida. Ao nosso redor, sempre existirão criaturas que se equivocaram pelos caminhos da existência, se pretendermos, podemos ajudá-las no soerguimento moral.

Jesus foi procurado por Nicodemos às escondidas, à noite. Para servir na causa do bem, não precisamos ter vergonha, e, querendo, conseguiremos ajudar instituições de caridade na venda de ingressos de promoções, servir em bazares e até mesmo realizar campanhas de alimentos.

Pela nossa atual condição espiritual, ainda estamos muito distantes de Jesus, mas dentro das possibilidades que já retemos, com boa vontade, iniciativa e ideal, conseguiremos realizar, também, prodígios de amor ao próximo, colocando nossos talentos a serviço da comunidade a que pertencemos.

Vejamos, então, o bem que já podemos fazer.

Próximas Matérias