AMIGO FOLHA ESPÍRITA

Você pode ajudar a divulgação da Doutrina. Colabore com a Folha Espírita e faça a sua parte

Quero Contribuir

ir

ir

ir

ABRIL/2024

ir

MARÇO/2024

ir

FEVEREIRO/2024

ir

JANEIRO/2024

ir

DEZEMBRO/2023

ir

NOVEMBRO/2023

ir

OUTUBRO/2023

ir

SETEMBRO/2023

ir

AGOSTO/2023

ir

JULHO/2023

ir

JUNHO/2023

ir

MAIO/2023

ir

ABRIL/2023

ir

MARÇO/2023

ir

FEVEREIRO/2023

ir

JANEIRO/2023

ir

DEZEMBRO/2022

ir

NOVEMBRO/2022

ir

OUTUBRO/2022

ir

SETEMBRO/2022

ir

AGOSTO/2022

ir

JULHO/2022

ir

JUNHO/2022

ir

MAIO/2022

ir

ABRIL/2022

ir

MARÇO/2022

ir

FEVEREIRO/2022

ir

JANEIRO/2022

ir

DEZEMBRO/2021

ir

NOVEMBRO/2021

ir

OUTUBRO/2021

ir

SETEMBRO/2021

ir

AGOSTO/2021

ir

JULHO/2021

ir

JUNHO/2021

ir

MAIO/2021

ir

ABRIL/2021

ir

MARÇO/2021

ir

FEVEREIRO/2021

ir

JANEIRO/2021

ir

DEZEMBRO/2020

ir

NOVEMBRO/2020

ir

OUTUBRO/2020

ir

A importância do sal

“Vocês são o sal da terra. Mas se o sal perder o seu sabor, como restaurá-lo? Não servirá para nada, exceto para ser jogado fora e pisado pelos homens” (Matheus 5: 13-14).

Na mesa de refeição, com frequência, ouvimos comentários sobre o sabor dos alimentos. Nisso identifica-se a habilidade de quem prepara os pratos, mas ninguém lembra de destacar a qualidade do sal, isso até que a cozinheira ou o cozinheiro, por um lapso, deixa de colocá-lo na comida, aí, sim, lembramos imediatamente desse tempero.

O sal, portanto, fica esquecido quando está presente, mas imediatamente lembrado quando está ausente. Não recebe elogios, mas faz muita falta nas refeições.

Assim devemos ser, iguais ao sal, sem a preocupação de ser reconhecidos, elogiados ou mesmo lembrados, mas que a nossa ausência, em qualquer ambiente, seja notada, não pelo destaque pessoal ou exibicionismo, mas, sim, pelo bem que podemos fazer sempre.

No nosso trabalho profissional, sendo operários, sejamos o sal da harmonia, da responsabilidade, do empenho com as tarefas e com o cumprimento total do nosso dever.

Sendo patrões, sejamos o sal do reconhecimento da importância e dos valores dos empregados, retribuindo, honestamente a eles, a dedicação para com a empresa e tendo-os como seres humanos repletos de necessidades e sonhos.

Na família, sejamos o sal do companheirismo, da paciência, do respeito e da dedicação para com o nosso grupo consanguíneo, zelando pela harmonia do lar, no clima da fraternidade.

Na obra assistencial que executamos, sejamos o sal do comprometimento, da doação, da solidariedade e da presença constante, pois nessas ações nem sempre se conta com muitos trabalhadores determinados e perseverantes.

No meio social, sejamos o sal do bom exemplo, demonstrando valores de honra, dignidade, ética e muita honestidade, visto que muitos olhos nos veem e muitas criaturas nos seguem.

No clube social, sejamos o sal da esportividade, do coleguismo, fazendo do lazer e da recreação momentos de relaxamento e fortalecimento dos vínculos de amizade.

No trânsito, sejamos o sal da atenção constante, da obediência das leis, do respeito aos demais veículos e, principalmente, muita consideração para com os pedestres.

No centro espírita, sejamos o sal da união, do respeito à divergência de opiniões e da fidelidade a Allan Kardec, mantendo firmemente os preceitos da codificação.

Então, a exemplo do sal, não tenhamos a pretensão de ser destaque e receber elogios ou referências nos ambientes em que frequentamos, e sim o forte desejo de que seja sentida a nossa ausência, pelos valores morais que podemos agregar, em qualquer lugar, como humilde contribuição para a construção de um mundo mais justo, fraterno e humano.

Reflitamos.

Próximas Matérias