AMIGO FOLHA ESPÍRITA

Você pode ajudar a divulgação da Doutrina. Colabore com a Folha Espírita e faça a sua parte

Quero Contribuir

ir

ir

ir

ABRIL/2024

ir

MARÇO/2024

ir

FEVEREIRO/2024

ir

JANEIRO/2024

ir

DEZEMBRO/2023

ir

NOVEMBRO/2023

ir

OUTUBRO/2023

ir

SETEMBRO/2023

ir

AGOSTO/2023

ir

JULHO/2023

ir

JUNHO/2023

ir

MAIO/2023

ir

ABRIL/2023

ir

MARÇO/2023

ir

FEVEREIRO/2023

ir

JANEIRO/2023

ir

DEZEMBRO/2022

ir

NOVEMBRO/2022

ir

OUTUBRO/2022

ir

SETEMBRO/2022

ir

AGOSTO/2022

ir

JULHO/2022

ir

JUNHO/2022

ir

MAIO/2022

ir

ABRIL/2022

ir

MARÇO/2022

ir

FEVEREIRO/2022

ir

JANEIRO/2022

ir

DEZEMBRO/2021

ir

NOVEMBRO/2021

ir

OUTUBRO/2021

ir

SETEMBRO/2021

ir

AGOSTO/2021

ir

JULHO/2021

ir

JUNHO/2021

ir

MAIO/2021

ir

ABRIL/2021

ir

MARÇO/2021

ir

FEVEREIRO/2021

ir

JANEIRO/2021

ir

DEZEMBRO/2020

ir

NOVEMBRO/2020

ir

OUTUBRO/2020

ir

E onde colocamos o nosso tesouro?

“Porque onde está o teu tesouro, aí estará também o teu coração” (Mateus 6:21).

Sendo Deus a soberana justiça e amor, sem dúvida, não criou, dentro do código divino, nenhum instrumento ou mecanismo capaz de prejudicar ou ferir qualquer uma das suas criaturas.

Toda a estrutura do Universo conspira em nosso favor. Sendo fiéis às leis universais e obedientes aos seus conteúdos, todos nós poderemos usufruir dos benefícios que delas emanam.

A dor e o sofrimento que campeiam ao nosso lado têm origem na indisciplina que mantemos ao não observar e seguir os preceitos divinos. Buscamos por Deus, desejosos de viver uma vida baseada em seus ditames, mas ainda não resistimos aos chamamentos inferiores que a existência nos oferece.

Colocamos o nosso tesouro nas conquistas imediatistas e passageiras e vemos o nosso coração sofrer amargamente as decepções ao perceber que elas desaparecem como bolas de sabão arrastadas pelo vento.

Almejamos a paz e a felicidade, no entanto sentimos imensas dificuldades em obtê-las, uma vez que nossos atos e ações, via de regra, seguem por direções opostas àquelas que nos trariam tais conquistas.

Sabendo que a vida nos devolve aquilo que a ela damos, por que ainda insistimos em magoar pessoas?

Por que ainda não conseguimos deixar os vícios que tantos males têm proporcionado as nossas vidas?

Por que temos prazer em seguir pelos nossos dias, na presente existência, sem tantas preocupações com o que é belo, sublime e nobre?

Por que ainda levamos uma vida metódica e acomodada sem a preocupação de fazer algo de extraordinário, diferente e interessante?

“Jamais poderemos atribuir ao Pai Celestial as nossas desventuras. São os frutos das nossas sementeiras. Assim, se algo não vai bem conosco, a culpa, certamente, é só nossa.”

Por que falamos tanto em Deus e nas suas sábias lições sem a coragem de modificar nossos hábitos infelizes para seguir os ditames divinos, que nos proporcionariam uma infinidade de benesses?

Por que planejamos uma senda de luz para os nossos dias e agimos com tamanha irresponsabilidade que somente encontramos trevas pelo caminho?

Por certo, enquanto mourejarmos por aqui, dentro de um patamar de inércia e indiferença, sem dúvida, trilharemos as nossas estradas sem muitas aspirações, o que nos proporciona dias infelizes, inseguros e amargos.

Todos renascemos aqui na Terra, no contexto de um processo reencarnatório, trazendo na bagagem um monte de propostas e esperanças de progresso e prosperidade. Agora que aqui estamos, não podemos nos esquecer de tais aspirações, senão perderemos essa grande e valiosa oportunidade de crescimento espiritual.

Vejamos, então, onde estamos colocando o nosso tesouro, pois aí também estará o nosso coração. Essa deliberação é exclusivamente nossa, tomemos muito cuidado para que o arrependimento não nos venha ferir no futuro.

Nunca na humanidade tivemos tantos esclarecimentos e orientações de como devemos viver, para que possamos extrair da vida o seu lado bom, o seu lado de luz. Tudo, portanto, dependerá de nós.

Obviamente, diante da perfeição e soberana justiça de Deus, jamais poderemos atribuir ao Pai Celestial as nossas desventuras. São os frutos das nossas sementeiras. Assim, se algo não vai bem conosco, a culpa, certamente, é só nossa.

Reflitamos…

Próximas Matérias