AMIGO FOLHA ESPÍRITA

Você pode ajudar a divulgação da Doutrina. Colabore com a Folha Espírita e faça a sua parte

Quero Contribuir

ir

ir

ir

ABRIL/2024

ir

MARÇO/2024

ir

FEVEREIRO/2024

ir

JANEIRO/2024

ir

DEZEMBRO/2023

ir

NOVEMBRO/2023

ir

OUTUBRO/2023

ir

SETEMBRO/2023

ir

AGOSTO/2023

ir

JULHO/2023

ir

JUNHO/2023

ir

MAIO/2023

ir

ABRIL/2023

ir

MARÇO/2023

ir

FEVEREIRO/2023

ir

JANEIRO/2023

ir

DEZEMBRO/2022

ir

NOVEMBRO/2022

ir

OUTUBRO/2022

ir

SETEMBRO/2022

ir

AGOSTO/2022

ir

JULHO/2022

ir

JUNHO/2022

ir

MAIO/2022

ir

ABRIL/2022

ir

MARÇO/2022

ir

FEVEREIRO/2022

ir

JANEIRO/2022

ir

DEZEMBRO/2021

ir

NOVEMBRO/2021

ir

OUTUBRO/2021

ir

SETEMBRO/2021

ir

AGOSTO/2021

ir

JULHO/2021

ir

JUNHO/2021

ir

MAIO/2021

ir

ABRIL/2021

ir

MARÇO/2021

ir

FEVEREIRO/2021

ir

JANEIRO/2021

ir

DEZEMBRO/2020

ir

NOVEMBRO/2020

ir

OUTUBRO/2020

ir

Viver em paz

“Bem-aventurados os que têm puro o coração, porquanto verão a Deus”

(Mateus 5:8).

A paz que queremos no mundo nascerá da paz que cada habitante deste planeta guardar dentro de si. Nenhum benefício ou conquista surgirá de forma gratuita ou sem qualquer esforço. Na vida, toda prosperidade dependerá de empenho e dedicação, se realmente pretendemos concretizar a evolução da humanidade.

O orgulho entre os homens tem sido uma terrível chaga geradora de intensos prejuízos sociais. Acreditando ser a melhor e a mais importante criatura, se posiciona como alguém credor de todas as atenções e considerações, mas, quando tal não ocorre, se repleta de mágoas, ressentimentos e tristezas. Agindo assim, ao invés de cultivar a paz, o ser humano alimenta uma guerra interior, que acaba por influenciar os que estão ao seu redor e daí criar, à sua volta, uma ambiência de desconforto e insatisfações. Tal comportamento, tão frequente, tem o poder de afugentar a paz que todos nós, com ansiedade, buscamos.

Curiosamente, identificamos grande alarido social implorando aos órgãos políticos e administrativos do mundo que trabalhem e tracem planos para que a paz se concretize na Terra, no entanto a maioria daqueles que a exigem carregam montanhas de conflitos no coração, a se derramarem em grandes perturbações coletivas, impedindo que a serenidade possa morar entre os homens. Clamam pela paz fazendo a guerra em seus círculos de influências.

Outro obstáculo que atrapalha sobremaneira o alcance dos objetivos delineados é o egoísmo. O egoísta acredita que tudo deva ser dele, que o mundo precisa girar sempre a seu favor, não se importando com as demais criaturas que o cercam. É insensível e só tem olhos para ver o que lhe interessa diretamente. Pensa somente em si e passa pela vida pensando ser o melhor filho de Deus. O referido comportamento, muito abundante em nosso meio social, também tem oferecido imensa contribuição para que a dor e o sofrimento tenham provocado tantos males no âmago das comunidades.

Orgulho e egoísmo são as bases sólidas para o nascedouro de tantos conflitos sociais, responsáveis diretos pelas dificuldades que a paz encontra para se estabelecer no coração da humanidade. Não basta tão somente o desejo da paz. É imprescindível estabelecer o patamar ideal para sua sustentação. Esse suporte indispensável para que ela se estabeleça denomina-se humildade, virtude esta tão escassa no seio social.

Humildade ocorre quando o homem se posiciona com lucidez e equilíbrio, tendo plena consciência de que não é o único nem o mais importante no mundo. Quando compreende que uma grande máquina tem funcionamento perfeito se todas as peças que a compõem trabalharem em harmonia e serenidade. A humildade permitirá a percepção de que a paz e a felicidade que tanto queremos nascerão da paz e da felicidade que plantarmos nos corações alheios. Dentro do princípio de que é “dando que se recebe”, não será possível receber paz sem oferecê-la. Para tanto, indispensável se torna o empenho de todo esforço possível para que eliminemos, do coração, quaisquer resquícios de orgulho e egoísmo e façamos nascer a humildade e a simplicidade.

Próximas Matérias