AMIGO FOLHA ESPÍRITA

Você pode ajudar a divulgação da Doutrina. Colabore com a Folha Espírita e faça a sua parte

Quero Contribuir

ir

ir

ir

ABRIL/2024

ir

MARÇO/2024

ir

FEVEREIRO/2024

ir

JANEIRO/2024

ir

DEZEMBRO/2023

ir

NOVEMBRO/2023

ir

OUTUBRO/2023

ir

SETEMBRO/2023

ir

AGOSTO/2023

ir

JULHO/2023

ir

JUNHO/2023

ir

MAIO/2023

ir

ABRIL/2023

ir

MARÇO/2023

ir

FEVEREIRO/2023

ir

JANEIRO/2023

ir

DEZEMBRO/2022

ir

NOVEMBRO/2022

ir

OUTUBRO/2022

ir

SETEMBRO/2022

ir

AGOSTO/2022

ir

JULHO/2022

ir

JUNHO/2022

ir

MAIO/2022

ir

ABRIL/2022

ir

MARÇO/2022

ir

FEVEREIRO/2022

ir

JANEIRO/2022

ir

DEZEMBRO/2021

ir

NOVEMBRO/2021

ir

OUTUBRO/2021

ir

SETEMBRO/2021

ir

AGOSTO/2021

ir

JULHO/2021

ir

JUNHO/2021

ir

MAIO/2021

ir

ABRIL/2021

ir

MARÇO/2021

ir

FEVEREIRO/2021

ir

JANEIRO/2021

ir

DEZEMBRO/2020

ir

NOVEMBRO/2020

ir

OUTUBRO/2020

ir

A fonte divina

“Nunca te deixarei nem te desampararei”

(Hebreus 13:5)

Na vida, estamos situados na posição evolutiva decorrente dos nossos esforços e empenho empreendidos ao longo dos milênios que estiveram à nossa disposição. Não somos melhores e ainda não conseguimos avançar mais na senda do progresso espiritual por nossa própria deliberação. A Justiça Divina, no contexto da sua imensurável fonte de amor, sempre se apresentou com fartura de oportunidades em nosso favor, no entanto o aproveitamento das chances oferecidas sempre dependeu na nossa boa vontade em aproveitá-las.

Dessa forma, somos o que somos porque assim quisemos ser. Verdadeiramente, somos herdeiros de nós mesmos, tendo o mérito pelas conquistas efetuadas e a culpa pelos fracassos conhecidos. “E o meu Deus suprirá todas as vossas necessidades […] (Felipenses 4.19).

Observemos uma fonte a jorrar água abundante e cristalina ficando à disposição daqueles que têm sede. Se nos dirigirmos a ela conduzindo um copo, não conseguimos apanhar mais que um copo de água límpida, se levarmos uma jarra, carregaremos conosco um pouco mais de água, e se nos apresentarmos levando um balde, teremos a oportunidade de reter uma quantidade bem maior desse precioso líquido. Obviamente, cada um colherá na fonte a quantidade de água proporcional ao recipiente conduzido, embora ela continue a jorrar abundantemente.

Assim também acontece com a Providência Divina, sempre a oferecer uma quantidade imensa de recursos que permanece à disposição de todos nós. Dependendo do recipiente da nossa maturidade espiritual, consciência evolutiva e vontade em avançar pela estrada do progresso, poderemos aproveitar mais ou menos tais disponibilidades divinas.

Ainda, não podemos olvidar que nada cairá do “céu” de forma gratuita, mas que tudo, dentro das sábias e perfeitas leis de Deus, obedecerá às leis do mérito. A cada um segundo as suas obras, conforme sentenciou Jesus (Mateus, 16.27). Então, não resta qualquer dúvida. Quem não se esforçar, não se dedicar e não se interessar por dias melhores, certamente, não os terão.

Então, descruzemos os braços e estendamos as mãos para a realização do trabalho gratificante da semeadura, pois que, no tempo certo, abarrotaremos o celeiro das nossas conquistas, com os frutos saudáveis do labor empreendido. Basta um olhar de observação ao nosso redor e logo identificaremos inúmeras oportunidades para vivenciarmos as imprescindíveis lições de Jesus Cristo: “Amarás ao Senhor teu Deus, com todo o teu coração, com toda a sua alma e com todo o teu entendimento e ao teu próximo como a ti mesmo” (Mateus, 22, 37).

Qualquer outro caminho que deliberarmos seguir, por certo, não nos conduzirá a nenhum lugar seguro. Disso já temos uma quantidade imensa de constatações, pois ao longo destes anos todos, temos trilhado outras estradas e até agora o que encontramos foram dores, aflições, decepções, amarguras e remorsos.

Paulo de Tarso, no âmbito da sua reconhecida sabedoria, nos advertiu que será preciso e urgente que “matemos o homem velho que existe dentro de nós, para que nasça um homem novo” (Colossenses, 3). Assim, informou o Apóstolo dos Gentios que não podemos adiar mais a decisão de erradicar o egoísmo e o orgulho dos nossos corações, substituindo-os pela fraternidade, solidariedade e pelo imenso amor pelo próximo.

Não será difícil concluirmos, então, que se desejamos uma vida de paz e serenidade, não existe outro caminho que não seja plantar a felicidade nos corações alheios. A fonte divina continua a jorrar as águas cristalinas da sabedoria e do amor, apenas precisamos aumentar o recipiente do nosso interesse em aproveitá-los.

Reflitamos…

Próximas Matérias