AMIGO FOLHA ESPÍRITA

Você pode ajudar a divulgação da Doutrina. Colabore com a Folha Espírita e faça a sua parte

Quero Contribuir

ir

ir

ir

ABRIL/2024

ir

MARÇO/2024

ir

FEVEREIRO/2024

ir

JANEIRO/2024

ir

DEZEMBRO/2023

ir

NOVEMBRO/2023

ir

OUTUBRO/2023

ir

SETEMBRO/2023

ir

AGOSTO/2023

ir

JULHO/2023

ir

JUNHO/2023

ir

MAIO/2023

ir

ABRIL/2023

ir

MARÇO/2023

ir

FEVEREIRO/2023

ir

JANEIRO/2023

ir

DEZEMBRO/2022

ir

NOVEMBRO/2022

ir

OUTUBRO/2022

ir

SETEMBRO/2022

ir

AGOSTO/2022

ir

JULHO/2022

ir

JUNHO/2022

ir

MAIO/2022

ir

ABRIL/2022

ir

MARÇO/2022

ir

FEVEREIRO/2022

ir

JANEIRO/2022

ir

DEZEMBRO/2021

ir

NOVEMBRO/2021

ir

OUTUBRO/2021

ir

SETEMBRO/2021

ir

AGOSTO/2021

ir

JULHO/2021

ir

JUNHO/2021

ir

MAIO/2021

ir

ABRIL/2021

ir

MARÇO/2021

ir

FEVEREIRO/2021

ir

JANEIRO/2021

ir

DEZEMBRO/2020

ir

NOVEMBRO/2020

ir

OUTUBRO/2020

ir

Ludopatia: vício em jogo

O vício em jogo, também conhecido como ludopatia, é um transtorno caracterizado pela dependência total de jogos, sejam eles eletrônicos ou de azar. Em geral, jogar é uma atividade recreativa, competitiva e estruturada, com o objetivo de entretenimento. Apesar de ser uma atividade lúdica importante no desenvolvimento infantil, e uma forma de relaxamento e descompressão para adultos, o excesso pode levar ao vício.

O vício em jogo é caracterizado pela perda de controle sobre o hábito de jogar, seja em jogos eletrônicos ou de azar. O que começa como uma atividade divertida e recreativa pode se transformar em uma obsessão, que interfere negativamente na vida pessoal, profissional e social do indivíduo.

De acordo com uma matéria do G1, um estudo realizado pela USP revelou um dado impressionante: cerca de 28% dos jovens brasileiros jogam videogames de forma excessiva, número que ultrapassa a média global (Com média…, 2022). Existem vários tipos de vício em jogos, sendo os dois mais comuns em jogos de azar e em jogos eletrônicos.

Diante desse contexto, este artigo visa esclarecer as principais dúvidas sobre o tema e abordar causas, impactos e tratamentos possíveis.

Qual a diferença entre hobby e vício compulsivo?

A principal diferença entre jogar por hobby e o vício em jogos reside no controle e impacto que essa atividade exerce na vida do indivíduo. É extremamente importante salientar que existe uma linha tênue entre jogar por hobby e vício compulsivo. Muitas vezes, a transição de um para o outro pode ser gradual e imperceptível para a própria pessoa e para aqueles ao seu redor. O que começa como uma atividade divertida e relaxante pode, aos poucos, se tornar uma obsessão, que consome tempo, energia e recursos, prejudicando a vida em diversas áreas.

Hobby:

  • controle – a pessoa consciente e no comando da atividade. Define horários, duração e sabe quando parar;
  • impacto positivo – traz prazer, diversão e relaxamento. Contribui para o bem-estar e não interfere em outras áreas da vida.

Vício compulsivo em jogos:

  • controle perdido – a pessoa rendida ao jogo, sem controle sobre a frequência e duração;
  • impacto negativo – prejuízos à saúde física, mental, social e financeira. Afeta relacionamentos, trabalho e responsabilidades.

Principais sinais e sintomas do vício compulsivo

Alguns sintomas físicos podem aparecer, mas nem sempre é fácil identificar que decorrem do vício em jogos. A maioria das pessoas acredita que está passando por outros problemas, como estresse, ansiedade ou cansaço geral. É comum haver dores musculares devido à má postura enquanto joga, dores de cabeça e abstinência ao ser afastado do jogo ou da possibilidade de jogar, como agressividade e irritabilidade. Além disso, outros sintomas são a ansiedade, por não estar jogando, e a mentira sobre a quantidade de tempo que passa jogando. Em muitos casos, familiares e amigos percebem que algo está errado quando observam os seguintes sinais: perda do controle ou dificuldade em controlar o tempo gasto jogando.

Além disso, começam a surgir pensamentos constantes sobre os jogos, mesmo quando não se está jogando, e ansiedade ou irritabilidade quando não se pode jogar. Há impacto nas atividades diárias, como o desempenho escolar ou profissional, relacionamentos e outras atividades de lazer; isolamento social, para passar mais tempo jogando sozinho; dores de cabeça, visão turva e problemas de sono; negligência de saúde e higiene pessoal, como não se alimentar bem, não dormir o suficiente e não fazer exercícios; dependência emocional, pois o jogo se torna fonte de conforto e felicidade, e a pessoa pode se sentir desconfortável ou ansiosa por não estar jogando. Muitas vezes, o vício em jogos vem acompanhado de outros problemas, como depressão ou ansiedade.

Prevenção, tratamento e recuperação para o vício em jogo

Prevenir e tratar o vício em jogos é essencial para manter uma vida equilibrada e saudável. Abaixo seguem estratégias importantes a serem consideradas para prevenção:

  • defina limites de tempo e dinheiro para jogar e seja rigoroso em cumpri-los;
  • garanta que jogar seja apenas uma das muitas atividades de lazer em sua vida;
  • invista em hobbies, esportes e tempo com a família e amigos. Informe-se e conscientize-se sobre os riscos do vício em jogos;
  • fique atento aos primeiros sinais de problema, como jogar por longos períodos, gastar muito dinheiro ou ignorar responsabilidades.

Tratamento

Quando o vício já se estabeleceu, medidas de tratamento devem ser adotadas:

  • procure ajuda com psiquiatras e terapeutas, que podem sugerir programas de tratamento adaptados às suas necessidades;
  • participe de grupos de apoio para ter suporte emocional e compartilhar experiências. O profissional da saúde pode indicar a Terapia Cognitivo-Comportamental (TCC), que ajudará a modificar os padrões de pensamento e comportamento relativos ao vício em jogos.

Tratar essas condições é fundamental. É importante deixar claro que a recuperação é um processo gradual e contínuo, que exige comprometimento e apoio de todos. Como saber se uma pessoa tem vício em jogo? Essa é uma pergunta complexa, pois nem sempre gamers ou pessoas que fazem dos jogos parte importante de sua rotina têm vício em jogo ou são dependentes. Para um diagnóstico preciso, é necessário se atentar a outros fatores, como padrões de comportamento agressivos ou alterações bruscas de humor. Além dos sintomas já mencionados, é recomendado que a pessoa visite um profissional da saúde para uma avaliação mais assertiva. Só assim será possível garantir que o tratamento e as medidas de intervenção tragam resultados efetivos.

E a ludopatia do ponto de vista espiritual?

A ideia de que todos somos médiuns e influenciados por energias e informações do mundo espiritual é central em muitas tradições, incluindo o Espiritismo. Essa influência pode se manifestar de diversas formas, moldando nossos pensamentos, emoções e até mesmo escolhas de vida.

É importante estarmos conscientes dessa influência e buscar discernimento para identificar as energias que nos impulsionam. Pelo autoconhecimento e pela busca por elevação espiritual, podemos nos proteger de influências negativas e fortalecer nossa conexão com o bem.

Criação mental e vibração

A mente é uma ferramenta poderosa, e aquilo que pensamos e sentimos cria uma vibração que atrai energias semelhantes. Se cultivarmos pensamentos positivos e construtivos, atrairemos energias elevadas que nos impulsionarão para o bem. Por outro lado, se nos entregarmos a pensamentos negativos e destrutivos, podemos nos conectar com energias densas que nos afastam do nosso propósito e nos levam a estados de sofrimento.

Lembremo-nos das instruções de André Luiz no livro Mecanismos da mediunidade, no capítulo “Perseverança no bem”: “É imprescindível recordar o impositivo da perseverança no bem. O comprazimento nesta ou naquela espécie de atitude ou companhia, leitura ou conversação menos edificantes estabelece em nós o reflexo condicionado pelo qual inconscientemente nos voltamos para as correntes invisíveis que representam. É desse modo que formamos hábitos indesejáveis pelos quais nos fazemos pasto de entidades vampirizantes, acabando na feição de arcabouços vivos para moléstias fantasmas. Pensando ou conversando constantemente sobre agentes enfermiços, quais sejam a acusação indébita e a crítica destrutiva, o deboche e a crueldade, incorporamos de imediato a influência das criaturas encarnadas e desencarnadas que os alimentam, porque o ato de voltar a semelhantes temas, contrários aos princípios que ajudam a vida e a regeneram, se transforma em reflexo condicionado de caráter doentio, automatizando-nos a capacidade de transmitir tais agentes mórbidos, responsáveis por largo acervo de enfermidade e desequilíbrio”.

Referências

COM MÉDIA acima da mundial, 28% dos jovens brasileiros fazem uso abusivo de videogames, diz pesquisa da USP. G1, 31 jul. 2022. Disponível em: https://g1.globo.com/saude/noticia/2022/07/31/uso-excessivo-de-videogames-e-maior-entre-adolescentes-brasileiros-diz-pesquisa.ghtml. Acesso em: 28 jun. 2024. JOGADORES Anônimos. 2024. Disponível em: https://jogadoresanonimos.com.br/. Acesso em: 28 jun. 2024.

Próximas Matérias