AMIGO FOLHA ESPÍRITA

Você pode ajudar a divulgação da Doutrina. Colabore com a Folha Espírita e faça a sua parte

Quero Contribuir

ir

ir

ir

ABRIL/2024

ir

MARÇO/2024

ir

FEVEREIRO/2024

ir

JANEIRO/2024

ir

DEZEMBRO/2023

ir

NOVEMBRO/2023

ir

OUTUBRO/2023

ir

SETEMBRO/2023

ir

AGOSTO/2023

ir

JULHO/2023

ir

JUNHO/2023

ir

MAIO/2023

ir

ABRIL/2023

ir

MARÇO/2023

ir

FEVEREIRO/2023

ir

JANEIRO/2023

ir

DEZEMBRO/2022

ir

NOVEMBRO/2022

ir

OUTUBRO/2022

ir

SETEMBRO/2022

ir

AGOSTO/2022

ir

JULHO/2022

ir

JUNHO/2022

ir

MAIO/2022

ir

ABRIL/2022

ir

MARÇO/2022

ir

FEVEREIRO/2022

ir

JANEIRO/2022

ir

DEZEMBRO/2021

ir

NOVEMBRO/2021

ir

OUTUBRO/2021

ir

SETEMBRO/2021

ir

AGOSTO/2021

ir

JULHO/2021

ir

JUNHO/2021

ir

MAIO/2021

ir

ABRIL/2021

ir

MARÇO/2021

ir

FEVEREIRO/2021

ir

JANEIRO/2021

ir

DEZEMBRO/2020

ir

NOVEMBRO/2020

ir

OUTUBRO/2020

ir

O equilíbrio emocional das crianças

Nossa vida é caracterizada por emoções, felicidade, tristeza, medo, ansiedade e outros. O equilíbrio desses sentimentos é denominado equilíbrio emocional.

Afinal, o que significa equilíbrio emocional e controle emocional?

Equilíbrio emocional é ter o controle total dos seus pensamentos e das suas ações, que irão determinar o seu comportamento, sua capacidade de enfrentar adversidades e obstáculos, e o controle sob os seus sentimentos e reações.

Controle emocional é a habilidade de lidar com os próprias emoções em momentos intensos, sejam eles positivos ou negativos, controlando os sentimentos e expressando eles de maneira adequada em cada situação.

Como desenvolver o equilíbrio emocional das crianças

Daniel J. Siegel, professor clínico de Psiquiatria na Escola de Medicina da Universidade da Califórnia em Los Angeles (UCLA), codiretor fundador do Centro de Pesquisa Mindful Awareness da UCLA e diretor-executivo do Mindsight Institute, traça um caminho importante para desenvolvermos o equilíbrio emocional nas crianças. Na sequência, serão abordados alguns tópicos, mas recomenda-se ler mais sobre esse tema.

Leia também: A resposta das crianças

Conecte-se com seu filho

Conectar é interagir, é mais que estar presente, é ser uma presença que transmita tranquilidade e segurança à criança. Os pais podem conectar-se aos seus filhos por meio de gestos de afeto, palavras de compreensão e expressões faciais amorosas, dando apoio sempre que necessário. É importante frisar que dar apoio não significa fazer tudo pelos filhos, pelo contrário, é estar com eles nos momentos de dificuldades, permitindo que eles participem ativamente da resolução dos problemas que surgirem, justamente para que desenvolvam autonomia e autoconfiança.

Para conectar com seu filho, você também precisa conhecer mais sobre o seu temperamento, sua maneira de ser e de se comportar. Cada criança tem uma maneira de expressar suas emoções. Há crianças mais temperamentais e, portanto, podem expressar suas emoções de maneira mais intensa. Geralmente tem explosões de raiva e costumam morder, chutar e até mesmo bater. Por outro lado, existem crianças com dificuldade de expressar suas emoções, preferindo se afastar e silenciar.

Utilize o tempo que estiverem juntos, com sabedoria

Um dos grandes desafios dos pais é tirar um tempo para estarem com os filhos, devido às várias atividades que tanto os pais quanto os filhos têm de cumprir durante o dia. Sei que não é fácil, mas é importante manter um tempo de qualidade com os pequenos para lhes ensinarem lições importantes sobre eles mesmos e sobre a vida. O que os pais devem sempre ter em mente é que podemos ensinar importantes lições às crianças no nosso cotidiano, seja quando estiverem ajudando-os a se vestir, ou num bate-papo a caminho da escola.

Ajude-o a lidar com suas frustrações

É esperado que crianças pequenas e grandes também tenham dificuldade em lidar com a frustração, afinal seu cérebro ainda está em desenvolvimento e não aprendeu a ter controle sobre suas emoções. Sempre que a criança estiver irritada ou com raiva, os pais podem abrir espaço para que elas falem sobre seus sentimentos e aproveitar para ensinar-lhe maneiras de se acalmar.

Por isso, antes de falar ou ensinar qualquer coisa ao seu filho, é importante esperar que ele se acalme, para que depois, juntos, vocês possam procurar outros meios de resolver o problema. Não adianta tentar ensinar algo a uma criança que está em pleno ataque de raiva, pois ela não irá aprender nada, nem mesmo conseguirá ouvir o que você está dizendo.

Leia também: Dos castelos infantis ao deserto dos adultos

Esteja atento às horas de sono do seu filho

A privação do sono pode influenciar de forma negativa a maneira como as crianças lidam com suas emoções. A falta de sono causa irritabilidade, além de prejudicar o processo de aprendizagem das crianças. Cada vez mais as crianças estão dormindo menos por várias razões. Os pais devem sempre ficar atentos a essas questões.

O sono é a higiene do cérebro. É essencial para um cérebro e um corpo equilibrados. A Academia de Medicina do Sono, cujas orientações foram endossadas pela Academia Americana de Pediatria (American Academy of Pediatrics), recomenda as seguintes quantidades de sono para cada faixa etária:

IdadeHoras
4-12 meses12-16 horas (incluindo as sonecas)
1-2 anos11-14 horas (incluindo as sonecas)
3-5 anos10-13 horas (incluindo as sonecas)
6-12 anos9-12 horas
13-18 anos8-10 horas

Observação: são apenas sugestões. Cada criança é diferente, portanto, as necessidades de cada uma também.

Mantenha uma agenda saudável

Manter uma agenda saudável pode ser comparado quando você procura manter no seu cardápio apenas alimentos de valores nutritivos, de modo a eliminar certos alimentos que não são saudáveis e que prejudicam sua saúde física. Ao manter uma agenda saudável, os pais evitam sobrecarregar os pequenos com atividades que podem deixá-los cansados e até mesmo estressados.

É preciso saber dividir o tempo das crianças, isso incluindo o tempo para as brincadeiras e até mesmo um tempo para não fazer nada. Ao vivenciar situações de tédio, as crianças também podem desenvolver sua criatividade. Uma agenda saudável contribui para o equilíbrio emocional das crianças.

Estabeleça regras e limites claros

As regras e os limites não devem ser utilizados apenas naqueles momentos em que se para tudo para dar lições à criança dizendo o que ela deve ou não fazer. O ideal é que eles sejam inseridos no cotidiano da família, de maneira natural, à medida que você interage com o seu filho. As regras e os limites não devem ser vistos como meio de punição, pelo contrário, devem ser utilizadas com sabedoria, como meio de prevenção e sempre visando ao aprendizado da criança.

Quando estabelecidos de forma clara e consistente, podem ajudar a criança a ter um maior equilíbrio de suas emoções, pois dá à criança a sensação de segurança, uma vez que ela sabe o que é permitido e o que não é. Orientar as crianças não significa que elas farão tudo o que quisermos. Esse não é o objetivo, afinal, será que realmente desejamos educar crianças robôs que fazem tudo sem questionar?

Estabelecer regras e limites trará benefícios que serão colhidos a longo prazo. Paciência e persistência por parte dos adultos farão toda a diferença. Quando estabelecidos com coerência, clareza consistência e sabedoria, favorecem para o equilíbrio emocional das crianças.

Equilíbrio emocional

Ao adquirir equilíbrio emocional, as crianças:

  • tornam-se crianças mais flexíveis e mais dispostas a arriscar-se mais;
  • utilizam-se mais da sua curiosidade e criatividade;
  • não ficam tão preocupadas com o fato de que podem cometer erros, passando a enxergar os obstáculos como uma oportunidade de aprendizado;
  • tornam-se crianças menos teimosas ou rígidas, enriquecendo assim seus relacionamentos interpessoais;
  • são crianças mais resilientes, o que significa com maior capacidade de sair de situações que não lhe são favoráveis;
  • seguem em frente e enfrentam o medo, a insegurança, não ficando paralisadas diante de tais sentimentos;
  • passam a compreender que podem ter controle sobre suas emoções, seus pensamentos e comportamentos;
  • tornam-se mais flexíveis e mais dispostas a arriscar-se mais;
  • utilizam-se mais da sua curiosidade e criatividade;

Referências

O CÉREBRO da criança – Daniel J. Siegel e Tina Payne Bryson – com as principais ideias em vídeo animado. Construa uma vida melhor, 17 dez. 2019. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=I-4GvdxU038&t=12s. Acesso em: 26 jul. 2022.

O CÉREBRO que diz sim – Daniel Siegel & Tina Bryson – principais ideias, vídeo animado. Construa uma vida melhor, 12 jul. 2020. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=KzPGOypzcBY. Acesso em: 26 jul. 2022.

O MODELO da mão do cérebro – Dan Siegel. Construa uma vida melhor, 14 nov. 2019. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=X90Y7Chv0s8. Acesso em: 26 jul. 2022.

SIEGEL, Daniel J.; BRYSON, Tina Payne. O cérebro da criança: 12 estratégias revolucionárias para nutrir a mente em desenvolvimento do seu filho e ajudar sua família a prosperar. Tradução de Cássia Zanon. São Paulo: nVersos, 2015. SIEGEL, Daniel J.; BRYSON, Tina Payne. O cérebro que diz sim: equilibrado. In: SIEGEL, Daniel J.; BRYSON, Tina Payne. O cérebro que diz sim: como criar filhos corajosos, curiosos e resilientes. Tradução de Eliana Rocha. São Paulo: Planeta do Brasil, 2019.

Próximas Matérias