AMIGO FOLHA ESPÍRITA

Você pode ajudar a divulgação da Doutrina. Colabore com a Folha Espírita e faça a sua parte

Quero Contribuir

ir

ir

ir

ABRIL/2024

ir

MARÇO/2024

ir

FEVEREIRO/2024

ir

JANEIRO/2024

ir

DEZEMBRO/2023

ir

NOVEMBRO/2023

ir

OUTUBRO/2023

ir

SETEMBRO/2023

ir

AGOSTO/2023

ir

JULHO/2023

ir

JUNHO/2023

ir

MAIO/2023

ir

ABRIL/2023

ir

MARÇO/2023

ir

FEVEREIRO/2023

ir

JANEIRO/2023

ir

DEZEMBRO/2022

ir

NOVEMBRO/2022

ir

OUTUBRO/2022

ir

SETEMBRO/2022

ir

AGOSTO/2022

ir

JULHO/2022

ir

JUNHO/2022

ir

MAIO/2022

ir

ABRIL/2022

ir

MARÇO/2022

ir

FEVEREIRO/2022

ir

JANEIRO/2022

ir

DEZEMBRO/2021

ir

NOVEMBRO/2021

ir

OUTUBRO/2021

ir

SETEMBRO/2021

ir

AGOSTO/2021

ir

JULHO/2021

ir

JUNHO/2021

ir

MAIO/2021

ir

ABRIL/2021

ir

MARÇO/2021

ir

FEVEREIRO/2021

ir

JANEIRO/2021

ir

DEZEMBRO/2020

ir

NOVEMBRO/2020

ir

OUTUBRO/2020

ir

Forma diferente de lidar com a ingratidão

Tem uma história contada por Malba Tahan, no livro Maktub (Estava Escrito), sob o título “Ingratidão exigida”, passada na região da Arábia. Conta o autor como protagonista que, certo dia, passando perto da mesquita de Omar, presenciou uma cena que jamais esqueceu.

Um velho xeique, aproximando-se de um mendigo que esmolava à entrada do famoso templo de Bagdá, atirou-lhe um punhado de moedas de ouro. Conforme o mendigo recolhia as moedas com olhos esbugalhados e mãos rapaces, ao invés de se entregar às usuais e surradas demonstrações de reconhecimento, entrou a descompor o generoso ancião em sujo linguajar, rogando-lhe todas as pragas que assolam a espécie humana.

– Allah te castigue, velho nojento! Longe de mim! – Possa o fogo do maligno nos livrar de tuas mãos pestilentas, consumindo-te inteiro!

Foi então que o narrador não se conteve diante de pavorosa ingratidão. Estava indignado e revoltado com o monstruoso mendigo, que pegava a poupuda esmola com impropérios. Então aproximou-se do pedinte cheio de cólera e lhe disse:

– Cala-te, filho do cão! Pelas barbas do Profetas! Como tem a coragem de ofender aquele generoso ancião que te deu o pão de muitos dias?

E o pobre, com brandas inflexões na voz e humildade, lhe respondeu:

– Não me condenes, nem me castigues! Se assim procedo é porque assim o exigiu de mim aquele meu benfeitor.

O nosso protagonista ficou atônito com a resposta recebida, que parecia não ter nenhum sentido para ele. Seria possível que houvesse na Arábia, na Pérsia ou no Egito um homem que se entregasse a trocar espontaneamente os mais cálidos benefícios pelas mais negras maldições? Chegou a julgar que o coitado do mendigo poderia ser portador de grave perturbação mental. Fosse o que fosse, sem controlar a curiosidade, procurou o xeique para esclarecer de vez aquela situação que o desconcertava. E assim, alcançando o xeique, que caminhava muito devagar, cumprimentou-o com reverência e disse:

– Acabo de assistir, surpreendido e revoltado, à conduta indigna daquele vil mendigo da mesquita. Era a minha intenção castigá-lo pelos insultos e blasfêmias que ele dirigiu ao senhor, mas ele disse que assim procedeu porque assim o senhor exigiu. É verdade que acha justo te pagarem o bem com o mal?

O velho xeique respondeu que era verdade, que fora ele mesmo que impôs aquela forma de proceder e que reconhecia que não passava de um egoísmo gerado da sua filantropia. Explicou que sempre fora filantropo. Ao longo da vida, havia aplacado a forme de muitos, agasalhados a tantos outros que morriam de frio e só recebia prova de ingratidão dos muitos beneficiários tão logo passava a hora da necessidade. Em princípio, doíam-lhe as injustiças daqueles que beneficiara. Vinham-lhe os ímpetos de transformar seus sentimentos de piedade em desconsideração, com que a maioria dos homens aprecia as misérias de seus semelhantes. E por repudiar essa fraqueza, esse desânimo, provocados por uma ingratidão profunda que o feria dolorosamente, decidiu a habituar-se a receber tais pagas.

– Allah seja louvado! Pela sábia inspiração que me deu! – Exclamou.

 E rematou: – Comecei a exigir de todos quantos recebem qualquer auxílio meu que me dessem desde logo o que iriam dar mais tarde, a ingratidão como paga.

Por fim, o autor lembrou os ensinamentos de Allah: “Esqueceis a ingratidão! Perdoais os ingratos!”

Abstrair a ingratidão é necessário, pois uma vez que passamos a fazer o bem pelo prazer de fazer, sem esperar nada em troca, nos sentimos mais livres, mais leves e em paz com a nossa consciência. O xeique da história encontrou sua forma e, ao mesmo tempo, reconheceu ser egoísta por ter como objetivo exclusivo impedir que ele ficasse irado e, em represália, parasse de fazer filantropia, impedindo-lhe de cumprir o ensinamento de Allah.

Em O Evangelho segundo o Espiritismo, item 19, cap. XIII, “Que a vossa mão esquerda não saiba o que dá a vossa mão direita”, o Guia Protetor responde à questão: “Que pensar das pessoas que tendo seus benefícios sido pagos com a ingratidão não fazem mais o bem com medo de reencontrar ingratos?” A resposta vem ao encontro da antiga versão de Allah, ao afirmar que essas pessoas são ainda mais egoístas, pois fazem o bem esperando o reconhecimento.

Lembra ainda que “benefício desinteressado é o único agradável a Deus”. E ressalta na mesma lição que “Deus permite que sejais pagos, por vezes, com a ingratidão, para experimentar a vossa perseverança em fazer o bem”.

Não precisamos ser tão drásticos como o xeique da história para nos mantermos firmes no propósito de doar a quem precisa, sem exigir nada em troca; sem esperar honrarias e reconhecimento, mas por pura vontade de ser útil, agindo como instrumentos de Deus, aliviando a dor do semelhante, seja ele quem for.

Próximas Matérias